The Most Dangerous Game

Haus der Kulturen der Welt (HKW), Berlim

Entre 1957 e 1972, a Internacional Situacionista (Situationist International – S.I.) projetou pela primeira vez uma “frente revolucionária na cultura”, e então passaram sua propaganda para o campo da política. Empregando métodos lúdicos, o movimento oferecia uma crítica fundamental ao espetáculo de uma sociedade consumista. Em uma era na qual os princípios da economia de mercado estão permeando cada vez mais todas as áreas de nossas vidas, a mostra “The Most Dangerous Game” instiga uma nova visão dos anos de articulação crítica da S.I.

O título da exposição refere-se a uma colagem, hoje perdida, de um dos fundadores da S.I., Guy Debord. A expressão evoca, de um lado, o desejo revolucionário com o qual a S.I radicalizou os debates nos anos do pós-guerra. De outro lado, o título enfatiza o elemento lúdico que caracterizava as diversas atividades do grupo.

Artistas participantes: Pierre Alechinsky, Karel Appel, Armando, Enrico Baj, CoBrA, Conrad Bakker, Constant, Corneille, Guy Debord, Erwin Eisch, Ansgar Elde, Farfa, Lothar Fischer, Internationale Lettriste, Internationale Situationniste, Isidore Isou, Jacqueline de Jong, Asger Jorn, Laboratorio Sperimentale, Uwe Lausen, Jeppesen Victor Martin, Giors Melanotte, Eva Renée Nele, Erik Nyholm, Panamarenko, Giuseppe Pinot-Gallizio, Hans Platschek, Heimrad Prem, Ralph Rumney, Piero Simondo, Gruppe SPUR, Gretel Stadler, Hardy Strid, Helmut Sturm, Maurice Wyckaert e Hans-Peter Zimmer.

The Most Dangerous Game
The Situationist International en route for May ’68
Abertura: 26/09, 19h
Visitação: até 10/12/18; quarta a segunda, 11h-19h
Haus der Kulturen der Welt (HKW): John-Foster-Dulles-Allee 10, Berlim