Vendas que criam tendências: as 5 maiores aquisições do último mês

Descubra quais foram as vendas das principais feiras de arte do mundo e como essas obras direcionam as tendências para o universo artístico.

Tempo de leitura estimado: 4 minutos

As duas maiores feiras de arte do mundo aconteceram em outubro. Entre elas estão a Frieze London e Frieze Masters, que abriram suas portas no dia 13 de outubro no The Regent’s Park em Londres, e o Paris+ par Art Basel que teve seu vernissage no dia 19 do mesmo mês. Todas feiras foram um sucesso, sem sombra de dúvidas, mas o que realmente chocou a comunidade artística foram os dígitos das vendas

De acordo com a Phillips, principal casa de leilões de arte, em apenas dois dias, as vendas totalizaram quase £29.8 milhões de libras, cerca de R$182 milhões de reais. Dentre as principais vendas, tivemos nomes como Banksy, Francis Bacon, David Hockney, Frank Auerbach e mais. Aqui vamos falar sobre a seleção de obras, os valores estimados e como essas compras geram uma onda de tendências para a próxima temporada de arte. 

As 5 maiores vendas da temporada

Obra de Francis Bacon sendo segurada por duas pessoas no leilão da Sotheby's.
Imagem: obra “Three Studies For Portrait of Henrietta Moraes”, Francis Bacon (1963). 

Em primeiro lugar nas compras mais extravagantes das últimas semanas está a obra “Three Studies For Portrait of Henrietta Moraes”, de Francis Bacon, vendida durante o leilão da Sotheby’s por £24.3 milhões, cerca de R$143 milhões de reais

A trilogia faz parte de uma série de retratos que ele pintou de seus amigos, numa época em que sua arte estava se tornando cada vez mais pessoal. A venda, no entanto, tinha uma estimativa duas vezes menor e impactou os colecionadores já que em 2012 foi a última vez que um retrato de Henrietta assinado por Bacon apareceu em um leilão e foi vendido na casa dos £21 milhões, mais ou menos R$127 milhões de reais

Obra "Early Morning, Sainte-Maxime" de David Hockney.
Imagem: obra “Early Morning, Sainte-Maxime”, David Hockney (1969). 

Mais uma obra milionária que não pode faltar nessa lista de destaques foi a venda da obra “Early Morning, Sainte-Maxime”, vendida pela casa de leilões Christie’s, em Londres. A inspiração de Hockney para a pintura do quadro veio de uma foto que tirou quando estava visitando o diretor de cinema Tony Richardson. 

A estimativa era arrecadar de 7 a 10 milhões de libras, mas a obra foi vendida em seis minutos, quando os lances entre compradores privados começaram, pelo dobro do valor. A venda final foi confirmada em £20.899.500, quase R$123 milhões de reais – a maior (e mais rápida) venda dos últimos tempos. 

Imagem da obra de Jan Brueghel The Elder, 1616.
Imagem: obra “The edge of a village with people dancing on a riverbank”, Jan Brueghel The Elder (1616). 

Outra venda notável foi feita pelo negociante londrino Johnny Van Haeften durante o primeiro dia de London Frieze. A obra “The edge of a village with people dancing on a riverbank”, uma pintura a óleo de Jan Brueghel The Elder, datada de 1616, foi vendida por  U$10 milhões, quase R$54 milhões de reais

Imagem da obra "Je t'aime No II" de Robert Motherwell.
Imagem: obra “Je t’aime No II”, Robert Motherwell (1957).

Outro artista que está na lista de obras mais caras dessa temporada é  o expressionista Robert Motherwell. O pintor, que está ao lado de Jackson Pollock, Willem de Kooning e tantos outros nomes do cenário abstrato estadunidense, produziu uma série de obras logo após seu segundo casamento chegar ao fim. 

A venda de uma das obras dessa série aconteceu logo no segundo dia de Art Basel, quando a Pace Gallery anunciou “Je t’aime No II” por U$ 6.5 milhões, quase R$ 35 milhões de reais.  

Imagem da obra "Head of J.Y.M, Frank Auerbach".
Imagem: obra “Head of J.Y.M”, Frank Auerbach (1984). 

Por fim, mas não menos importante (ou caro), a obra “Head of J.Y.M.” do artista expressionista Frank Auerbach também alcançou valores milionários neste período de feiras e se tornou um destaque do leilão noturno da Sotheby’s. 

O retrato de sua babá, Juliet Yardley Mills, tem um histórico interessante. A obra foi uma das protagonistas na sua exposição no Rijksmuseum em 1989, mas também o acompanhou em lugares como a Royal Academy of Arts e a Timothy Taylor em Nova York. A pintura, que tinha uma estimativa de venda de £3 milhões, na verdade foi comprada por £5.6 milhões, cerca de R$34 milhões de reais. 

Para ficar de olho

Imagem da obra “Surinder”, Raghav Babbar (2020). 
Imagem: obra “Surinder”, Raghav Babbar (2020). 

Entre os destaques do leilão, um novo nome na cena surpreendeu a todos – o artista indiano Raghav Babbar bateu o recorde da London Frieze ao vender “Surinder” por £403.200, quase R$2.4 milhões de reais, vinte vezes o preço estimado. Para o artista, a figuração é um veículo para canalizar a emoção na tela.

Não é só sobre dinheiro

Imagem da obra "Cloud of Blood" da artista Tracey Emin.
Imagem: obra “Cloud of Blood”, Tracey Emin (2022).

Por fim, mas não menos importante, a artista Tracey Emin estabeleceu um novo recorde durante a venda noturna de Christie’s com sua obra “Cloud of Blood”. A própria Emin vendeu seu trabalho para arrecadar fundos para o TKE Studios – seu programa de residência artística que inaugurará em janeiro de 2023. A pintura foi vendida por £2.322.000 de libras, algo em torno de R$14 milhões de reais e o valor será convertido diretamente para seu projeto social.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
pt_BR