Centenário de Madalena Schwartz é celebrado pelo Instituto Moreira Salles

Conhecida por retratar artistas andrógenos e travestis na década de 1970, Madalena Schwartz trabalhava como lavadeira e só começou a explorar a fotografia aos 45 anos

Tempo de leitura estimado: 3 minutos
Ney Matogrosso, 1974
Ney Matogrosso, 1974

Ela nasceu em 1921 na Bulgária, fugiu dos nazista e veio para em São Paulo depois de passar um período em Buenos Aires. Madalena Schwartz trabalhava como lavadeira quando, aos 45 anos, começou a fotografar com a máquina que seu filho ganhou num concurso. Moradora do Copan, Schwartz viveu no epicentro da vida cultural da São Paulo durante os “anos de chumbo” da ditadura militar brasileira e transformou o contato com a cena underground da cidade, em especial com os artistas andrógenos e travestis que se apresentavam na região, em imagens magníficas. O mistério do rosto humano lhe instigava e a fotografia era uma forma de descobrir um cenário rico e contestador, de oposição ao conservadorismo do período militar. Ela completaria 100 anos em 2021 e, para comemorar a data, o Instituto Moreira Salles reuniu 112 fotografias desta série para a mostra Madalena Schwartz: as metamorfoses, curada por Samuel Titan Jr. e Gonzalo Aguilar. 

Dzi Croquettes: Claudio Tovar, Cláudio Gaya, Roberto de Rodrigues (ao fundo) e Paulette, c. 1974

Dzi Croquettes: Claudio Tovar, Cláudio Gaya, Roberto de Rodrigues (ao fundo) e Paulette, c. 1974

“Ela tinha uma formação super tradicional, retrato em estúdio, mas ela transformou o gênero em algo mais complexo, como uma caixa de ressonância do que estava acontecendo na rua. Abre a casa-estúdio para esses personagens como uma forma de diálogo, troca e enfrentamento!”, explica Titan Jr..  “É muito interessante notar que essas pessoas estão acostumadas a posar para as câmeras quando estão ‘montadas’, mas elas deixam Madalena conhecer outras camadas. Havia uma cumplicidade, sem a qual aquela fotografia não poderia existir”, completa. São figuras famosas, como Ney Matogrosso e os Dzi Croquettes, pouco conhecidas até hoje e anônimas em cena e fora delas, desconstruídas num momento de intimidade e confiança – são fases e movimentos de metamorfoses sublimes, antes da dança, daí o título da mostra. 

As inconfundíveis linhas do Copan guia o espectador – o edifício aparece nos dois extremos da sala de exposição e também foi inspiração para a cenografia. “Boa parte das fotos que parecem de estúdio, foram, na verdade, feitas na sala do seu apartamento no Copan, transformada em estúdio improvisado e efêmero”, explica o curador. “Enfatizar o Copan é um meio de enfatizar as raízes da fotografia da Madalena Schwartz no território urbano”, continua. 

Aron e Augusto, 1973
Aron e Augusto, 1973

Além de apresentar um rico material que contextualizam a São Paulo vivida por seus personagens, os curadores da mostra fizeram um belíssimo trabalho ao trazer outros fotógrafos que pesquisavam o mesmo tema nas mesmas condições de repressão em diferentes países da América Latina: Sergio Zevallos, do Peru; Paz Errázuriz, do Chile, que teve exposição recente no IMS; Mario Montez, de Porto Rico; e Armando Cristeto, do México, entre outros. Num vídeo presente na mostra a Schwartz ressalta: “Não há nada de mais misterioso no mundo do que o rosto de um ser humano. E  a fotografia não faz mágica, ela só vai mostrar o que você quer revelar”. Agora nos resta visitar a exposição e descobrir o que elxs nos permitem ver.  

Série "Las libertadoras", Caracas, de Vasco Szinetar
Série “Las libertadoras”, Caracas, de Vasco Szinetar

Madalena Schwartz: as metamorfoses

Data: 9 de fevereiro 2021 até 13 de junho 2021

Local: IMS Paulista

Endereço: Av. Paulista, 2424 – Bela Vista, São Paulo

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support