Panmela Castro exibe obras recentes em primeira individual na Luisa Strina

Artista apresenta novos trabalhos produzidos nos últimos anos na galeria que passou a representá-la neste ano, com a exposição “Ostentar é estar viva” em cartaz até janeiro

Tempo de leitura estimado: 2 minutos
Panmela Castro Ademar Marinho – da série Vigília , 2021. FOTO: Edouard Fraipont

Até o dia 29 de janeiro de 2022, a Galeria Luisa Strina apresenta a primeira individual da artista Panmela Castro na casa paulistana. Ostentar é estar viva tem curadoria de Daniela Labra e une à produção confessional e autobiográfica da artista séries de representações de outros corpos, como retratos do artista Moisés Patricio e da cantora Mc Carol de Niterói, pontuando a luta por direitos de grupos historicamente marginalizados e periféricos.

De acordo com a artista em seu perfil no Instagram, a exposição abarca uma narrativa que considera “encontros que impulsionaram a criação de obras participativas, a partir de ritual simbólico, que invocam nossa auto-estima como força motriz para tomarmos tudo o que nos foi roubado”. Ela ainda pontua que a ideia de “ostentação” levada à mostra relaciona-se com “a soberania de si”, sob uma ótica que visa o avanço na ocupação dos espaços de poder e decisão onde nunca estiveram antes.

Panmela Castro, Moisés Patricio – da série Vigília , 2021. FOTO: Edouard Fraipont

Fundadora da ONG Rede Nami, projeto que utiliza a arte como forma de propor discussões críticas sobre a violência de gênero, Panmela pontua ainda que acredita “na importância da equidade de poder para a sustentabilidade da Casa Comum, nossa terra”. E completa: “Acredito que nós (povos originários, povo da diáspora africana, PCDs, LGBTQIA+, mulheres, e outres) podemos decidir os rumos da nossa sociedade de uma forma muito mais justa para todos; trazendo novas soluções para problemas atuais como o aquecimento global, o esgotamento dos recursos da terra, e seu próprio fim; dentre outros mais antigos como a insegurança alimentar e o acesso à educação, saúde e moradia”.

Panmela Castro, Terreiro da Mãe Ivana – Residência (Mãe Ivana), 2021. FOTO: Edouard Fraipont

Na exposição, além dos retratos e algumas telas abstratas, a artista apresenta objetos em bronze, espelhos, neon, joias, enfeites, pixo, vídeo… Dentre outros materiais. Essa variedade de suportes e visualidades incorpora as experiências da artista com pessoas de diferentes círculos, durante os eventos que convergiram para a presente exposição. 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support