Respeitar qualquer objeto ou matéria: conheça o trabalho de Marcelo Silveira

Artista pernambucano que se incomoda com o esquecimento, dá nova vida aos objetos e materiais que encontra ao criar obras que desafiam os limites da escultura, instalação, pintura, arte popular e artesanato

Tempo de leitura estimado: 3 minutos
Marcelo Silveira
Marcelo Silveira

Interessado pela materialidade do mundo e por funções esquecidas de objetos, Marcelo Silveira desafia e tensiona definições aparentemente consolidadas de escultura, instalação, pintura, desenho, arte popular e artesanato. Tudo pode ser objeto de trabalho: madeira, couro, papel, metal, plástico e vidro são apenas alguns dos elementos explorados cuja própria configuração propõe novas ou reconhecíveis formas. “Estes objetos já não cumprem mais a função original, mas suas histórias continuam de outra forma”,  explica o artista. 

Marcelo Silveira
Marcelo Silveira

Os trabalhos podem nascer a partir do repertório formal comum àqueles objetos ou pela recriação de formas familiares e comuns em matérias inesperadas. Para criar, Marcelo reúne, portanto,  artefatos encontrados  – como cartões postais, réguas de desenho, vidros de perfume, etc. – ou objetos que remetem a utensílios domésticos, mas desprovidos de qualquer utilidade para ressignificá-los numa espécie de “duchampismo” tropical. A ideia é conferir novo sentido a esses objetos, que possuem a potência de despertar memórias afetivas.A estratégia do artista parte, portanto, do colecionismo de objetos e matérias mundanas, e segue para o constante jogo entre apropriação e produção. “O fio condutor do meu trabalho é a prática de observação do colecionismo. Existe uma grande diferença entre colecionar ou juntar coisas. E um colecionador não é apenas aquele com dinheiro, só é preciso ter critério para formar uma coleção…e qualquer coisa pode ser colecionável: objetos, amigos ou emoções”, ressalta Silveira. “E o meu critério é mostrar tudo o que já foi esquecido: as funções; práticas; materiais; relações com o meio; respeito ao outro – o esquecimento, de modo geral, me incomoda muito”, completa o artista que está trabalhando com uma série de retratos de desconhecidos em suas formaturas e revistas dos anos 1930 aos 1950, com as quais deve construir a obra Hotel da solidão (ainda em processo). 

Marcelo Silveria
Marcelo Silveria

“Qualquer material ou objeto, por mais insignificante ou relevante que seja, merece o seu respeito. Se você pega algo, precisa garantir um futuro digno de alguma forma e não abandoná-lo imediatamente. Se não quiser mais, encontre alguém, pelo menos, que o recicle. Se ele está com você,  é sua responsabilidade nesse mundo”, ressalta o artista.

Marcelo Silveira
Marcelo Silveira
Marcelo Silveira
Marcelo Silveira
Marcelo Silveira
Marcelo Silveira
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support