Mario Merz: Time Is Mute

Museo Reina Sofía, Madri

Tempo de leitura estimado: 2 minutos

Esta retrospectiva dos trabalhos de Mario Merz (Milão, Itália, 1925 – 2003) pesquisa a proveniência de um corpo de trabalho suspenso em uma espécie de época pré-histórica, em desacordo com o discurso da história da era moderna. Esta perspectiva anacrônica, aparente na escolha dos materiais e da iconografia, decorre da postura ideológica e comprometida de um artista e sua relação com o clima político e intelectual na Itália das décadas de 60 e 70, além de sua rejeição ao capitalismo generalizado e ao modo de vida americano após a Segunda Guerra Mundial.  

A prática de Merz, ligada a Arte Povera, incorpora características-chave diferentes que o coetâneo crítico de arte Germano Celant identificou com esse movimento: em adição a sua oposição a sociedade do consumismo pós-industrial, encontramos o uso consciente de materiais orgânicos como argila, galhos, cera e carvão. Da aplicação desses materiais provêm algumas das associações recorrentes nas imagens pré-modernas do artista, por exemplo fogo, raios e flexas; figuras com significados mítico e geológico – o iglu, a mesa, o espiral, o rio; ou animais ancestrais como o rinoceronte e o crocodilo. Esses motivos, juntamente com a idéia do nômade, percorre a amplitude da poética do artista, reivindicando estilos de vida em consonância com a natureza que resiste os esquemas predatórios da modernidade capitalista. Assim, a busca pela mitologia distinguiu a obra de Merz de seus contemporâneos semelhantes, pois seu arcaísmo não tinha relação com um anseio melancólico pelo passado, mas, em vez disso, estava relacionado a uma crítica aguda à modernidade industrial e consumista.   

Além disso, sua biografia relata esse engajamento político e poético – como membro do grupo de resistência antifascista Giustizia e Libertá, foi preso por seu ativismo em 1945, num tempo quando ele começou a usar materiais improvisados como cartas e pacotes de comida. No início de sua carreira, ele explorou suas preocupações políticas e sociais em termos estéticos, mais notáveis em obras emblemáticas como Igloo di Giap and Che fare?, que se materializou do fervor de maio de 68 e de idéias políticas e filosóficas que, na Itália particularmente, reformou o conceito clássico do marxismo em relação ao papel do intelectual como um sujeito revolucionário.

Mario Merz
Abertura: 10/10/19
Visitação: até 29/03/2020; segunda, quarta a sábado, 10h-21h
Museo Reina Sofía: Calle Ronda de Atocha, Madri. Ingressos: €10

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support