Artistas brasileiras se destacam no cenário internacional

por Julia Lima

Tempo de leitura estimado: 3 minutos

A arte brasileira tem se destacado internacionalmente nos últimos anos, com participações marcantes em grandes mostras sasonais como a Bienal de Veneza e a Documenta de Kassel, além de coletivas e individuais em instituições de peso. Este ano de 2019, no entanto, é marcado por uma presença destacada de artistas brasileiras no circuito estrangeiro.

A artista brasileira Jac Leirner, por exemplo, foi anunciada como ganhadora do prêmio Wolfgang Hahn no final do ano passado, e ganhará em abril uma retrospectiva no Gesellschaft für Moderne Kunst am Museum Ludwig, em Colônia, na Alemanha. Essa será a primeira vez que uma artista sul-americana receberá o prêmio, de mais de 100 mil dólares. Mas mesmo antes de sua ida à Alemanha, Leirner participa pela primeira vez da mostra “Portadores de sentido – Arte contemporânea na Colección Patricia Phelps de Cisneros“, organizada pela Fundación Cisneros no Museo Amparo, em Puebla, no México. Ao lado de artistas de destaque, como o mexicano Mario García Torres, e outros nomes da Colômbia, Argentina, Costa Rica, Cuba, entre outros, o trabalho de Leirner se destaca pela incorporação de objetos e elementos banais – normalmente descartados até – em operações que ressignificam e subvertem seu uso e sua estética. Na mostra, Azuis [Blues], de 1990, consiste em uma série de sacolas plásticas montadas de maneira a criar uma grande curva azul na parede.

Outro destaque internacional entre as artes brasileiras é Anna Maria Maiolino. Além de sua mostra em cartaz na galeria Luisa Strina até o final do próximo mês, Maiolino está preparando uma individual no PAC de Milão, com abertura prevista para 29/03/19. Inspirada pelo imaginário cotidiano do universo feminino e de suas experiências durante o período repressivo e de censura da ditadura militar no Brasil, a artista de origem italiana apresenta um percurso de sua pesquisa e produção, abrangendo as diferentes linguagens e suportes que empregou ao longo de toda sua carreira – da escultura à performance, da fotografia ao vídeo, do desenho à instalação.

Mas não são só as veteranas mais experientes têm alçado voos mais altos em terras estrangeiras. A paulistana Erika Verzutti abriu no dia 18/02/19, para convidados, o preview de sua individual em Paris, no Centre Pompidou. A visitação do público se inicia em 20/02/19, mas as redes sociais já foram inundadas com fotos postadas por artistas, críticos e curadores que foram à abertura prestigiar a escultora. Parte do programa “Mutations/ Creations 3” do museu, a primeira grande mostra solo de Verzutti na Europa traz esculturas que mimetizam formas naturais de animais, frutas e plantas, em associações inusitadas e surreais. A exposição celebra a carreira de Verzutti e sua auro-proclamada indisciplina, sua recusa em conformar com padrões de uma arte mais conceitual, ou de contornos bem definidos, a liberdade provocativa que toma em suas formas – cheias de irreverência, humor e ironia.

Já a artista Juliana Cerqueira Leite, hoje radicada em Nova York, recebeu neste início de 2019 um dos mais prestigiados prêmios da Pollock-Krasner Foundation, organização estadunidense que tem como foco o estímulo e o desenvolvimento de suportes tradicionais como o desenho, a pintura e a escultura. As bolsas e prêmios da instituição podem ser usados para diversos fins, inclusive pessoais. A artista foi ganhadora de uma bolsa de produção, e usará os recursos recebidos para organizar uma  da norte-americana. O recurso doado será para uma exposição no Museo Archeologico Nazionale di Napoli, na Itália, prevista para o segundo semestre.

É curioso perceber a crescente inserção de brasileiros neste circuito, associada também à proliferação de mostras bienais e trienais e de incontáveis feiras de arte que fomentam a circulação expandida pelo mundo. Mas é notável, especialmente, o destaque dado particularmente às mulheres – historicamente preteridas tanto no mercado quanto na esfera institucional e hoje alvo de esforços de resgate e reescrita da história da arte (antiga e recente). Este movimento muitas vezes é alimentado pela valorização comercial da arte brasileira e pode ser passageiro. No entanto, esperamos que a produção do Brasil possa sempre alcançar mais e mais públicos, expandindo fronteiras e horizontes para além do nosso território.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support