Ato Contínuo

Casa do Tatuapé, São Paulo

O coletivo de artistas visuais “Em Branco” realiza um work in progress na Casa do Tatuapé / Museu da Cidade de São Paulo que culminará na exposição “Ato Contínuo”. Adriana Rocha, Ana Michaelis, Celso Orsini, Cris Rocha, Patricia Furlong e Reynaldo Candia manterão seus ateliês na Casa do Tatuapé, desde o dia 18 de outubro de 2018, a fim de interagir e discutir com o público que poderá participar de todas as fases do processo artístico, desde a criação até a exposição prevista para 24 de novembro de 2018 até 31 de janeiro de 2019.

Dando seqüência ao seu projeto, o Museu da Cidade de São Paulo vem promovendo em seus espaços exposições artísticas que trazem novas abordagens e reflexões relacionadas aos edifícios históricos do seu acervo e seus arredores, abrangendo o tratamento das questões urbanas locais, ao mesmo tempo em que conecta a arte contemporânea à história da cidade.

O work in progress do coletivo ‘Em Branco’ fomentará uma vivência muito próxima dos artistas com a história da Casa do Tatuapé, com o bairro e com a vizinhança; estimulará uma ressignificação poética da maneira como a cidade do fim do século XVII se tornou a metrópole que conhecemos.

Processos
Adriana Rocha
 se propôs a pensar na relação da cidade com seu ciclo infindável de construção e destruição, ruínas e recomeços. Escolheu como suporte da pintura pedaços de madeiras que eram paredes de barracos na periferia da cidade. Ana Michaelis vai desenvolver uma instalação que irá remeter a memória da casa. Vai selecionar imagens a partir de retratos coletados em Arquivos do Museu da Cidade, que serão pintados de forma intimista em lâmpadas feitas de gesso que estarão penduradas em uma das salas. Celso Orsini vai celebrar um exercício de desenho e pintura, trazendo à memória da Casa, o tempo, marcas e a arquitetura, através do desenho e posteriormente a pintura. Vai desenhar sobre vidro, usando a tinta óleo e a tinta acrílica, além da monotipia, que deve aparecer no processo. Cris Rocha vai desenhar as janelas e frestas por onde entra a luz. Estes registros serão transportados para a gravura em metal no seu atelier, criando novas janelas com vistas para a paisagem não existe mais lá. Patricia Furlong vai desenvolver três obras, uma série de pinturas sobre os classificados de jornais das últimas 6 décadas [explorando a mudança no conceito “áreas verdes”]; uma instalação de “paraísos privados” (os terráreos) e uma tela cuja inspiração é o termo “Eden”, que sua origem aramaica significa “lugar cheio de água”. Reynaldo Candia vai realizar uma instalação que remete ao material que sustenta a casa, a taipa de pilão. Uma pilha de livros, feita com esse material, será feita. Neles, centenas de flechas serão anexadas, uma crítica a invasão do bandeirante, será como uma “tocaia” indígena.

Ato Contínuo
Abertura: 24/11, 11h-17h
Visitação: até 31/01/19; terça a domingo, 09h-17h
Casa do Tatuapé (Museu da Cidade de São Paulo): Rua Guabiju, 49, São Paulo. Entrada gratuita.