Brooklyn Museum compra e expõe mural de Faith Ringgold criado para uma prisão feminina

Mural criado em 1972 para ser exposto em Rikers Island questiona perspectivas para mulheres encarceradas nos EUA

 

Faith Ringgold
For the Women’s House (1971)

Faith Ringgold, que terá uma grande retrospectiva no New Museum (NY) este ano, criou a peça após receber uma bolsa para pintura do Creative Artists Public Service Award. O mural é a primeira comissão pública da artista e uma verdadeira peça da história da defesa dos direitos humanos, combinando os primeiros anos da reforma prisional e do ativismo feminista. Na época, Ringgold já era uma figura importante do Black Arts Movement (BAM) e recebeu uma bolsa de US $ 3.000 da cidade para criar uma obra de arte pública. Era 1971, e Angela Davis estava cumprindo uma sentença de 18 meses na Casa de Detenção de Mulheres em Manhattan por sua suposta conexão com a tentativa de fuga fracassada do escritor negro preso George Jackson. Os protestos públicos por sua libertação foram um dos primeiros apelos generalizados para acabar com o encarceramento em massa e preparar o terreno para o movimento moderno de abolição das prisões. 

Faith Ringgold
Jan van Raay, “Faith Ringgold (à direita) e Michele Wallace (no meio) no Art Workers Coalition Protest, Whitney Museum” (1970)

O trabalho foi inicialmente destinado à universidade que Ringgold cursou, City College. Quando a escola supostamente recusou a oferta, a artista, inspirada em parte pela situação de Davis, apresentou o projeto à Correctional Institution for Women em Rikers – para onde as presidiárias anteriormente mantidas na Casa da Mulher foram transferidas quando esta fechou no mesmo ano. 

For the Women’s House (1971), foi então inaugurada em janeiro de 1972, e mais tarde foi caiada e movida para o porão quando o prédio se tornou uma prisão masculina em 1988. Felizmente foi restaurada no final dos anos 1990 por um superintendente, que transferiu a obra para o Rose M. Singer Center (RMSC), uma prisão feminina, onde permaneceu à vista. O trabalho é uma mensagem de possibilidade e perseverança, retratando mulheres de diferentes idades e etnias em diversos papeis inspirados nas conversas de Ringgold com detidas.  

Em uma entrevista de 1972, a artista explicou por que escolheu montar o trabalho em uma prisão feminina: “Eu me perguntei: você quer que seu trabalho esteja em um lugar onde ninguém o queira ou quer que ele esteja em um lugar onde seja necessário?”. Ela também disse que o trabalho homenageia “a culpa de sangue de nossa sociedade”. 

Quatro década depois, a obra continua sendo atual e potente. Através dela, Faith Ringgold traz novas perspectivas para as mulheres encarceradas, e as olha para além das situações pelas quais foram presas, retratando-as em profissões muitas vezes tidas como masculinas. Em oito triangulares seções em uma tela quadrada, ela representou a primeira mulher presidente; jogadoras profissionais de basquete; e uma motorista de ônibus a caminho da “2A Sojourner Truth Square”, um aceno esperançoso para a “longa estrada” para sair do encarceramento de que falaram as detidas, entre outras figuras. 

Depois de cinco décadas em Rikers, a tela de 2,5 x 2,5 metros será encaminhada ao Brooklyn Museum esse mês e passará a fazer parte de seu acervo permanente, em exibição no Centro Elizabeth A. Sackler de Arte Feminista, no quarto andar do museu.  O plano de relocação foi anunciado pela primeira-dama de Nova York, Chirlane McCray, e pelo Departamento de Correção (DOC) . 

“A história do sucesso de Nova York é muito sobre como as mulheres contribuíram em todos os aspectos do desenvolvimento da cidade, mas muitas dessas histórias permanecem não contadas, especialmente para mulheres de cor cujas conquistas foram literalmente apagadas dos livros de história”, disse McCray no comunicado. Ela acrescenta: “Estou orgulhosa de que esta pintura histórica será preservada no Museu do Brooklyn, onde as crianças podem vê-la e saber que também podem criar obras de arte que desencadeiam mudanças, expandem a consciência e estimulam a imaginação.” 

A obra só foi exibida publicamente duas vezes, a primeira vez foi em 2010, quando foi incluída em uma exposição em grande escala de pinturas de Ringgold no Neuberger Museum of Art in Purchase, Nova York. E Mais recentemente na exposição de 2017 no Brooklyn Museum, We Wanted a Revolution: Black Radical Women, 1965-1985 .  

A diretora Anne Pasternak diz que o museu está “animado para compartilhar [o trabalho] com milhões de pessoas localmente e ao redor do mundo e envolvê-los em diálogos sobre o trabalho dessa artista inovadora e temas de encarceramento em massa, igualdade das mulheres, os movimentos artísticos dos anos 1970 e mais”. 

De fato, a aquisição do mural pelo Brooklyn Museum trará uma maior visibilidade e indiscutivelmente atribuirá novos sentidos e leituras à obra. Ainda que a ação seja consentida pela própria artista, para alguns, no entanto, constitui um desenraizamento desajeitado da pintura de seu importante contexto social. 

O Art for Justice Fund, fundado pela filantropa Agnes Gund, apoiará a criação de uma nova obra para substituir o mural de Ringgold. “Estou satisfeita em saber que a importante pintura de Ringgold será transferida para uma casa permanente, a pedido da artista”, disse Gund em um comunicado. “É minha esperança fervorosa que todos vejamos Rikers Island fechada, e todos encarcerados lá logo sejam realocados para um ambiente mais seguro e positivo.”