Censura de exposição no Rio mobiliza artistas

Em mais um episódio de censura nas artes visuais, a prefeitura do Rio de Janeiro resolveu nesta semana proibir a exibição da série “Todxs xs santxs – renomeado – #eunãosoudespesa”, no contexto da mostra “LAVRA 2020”, no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica. A série de 7 trabalhos lança mão de imagens religiosas, que são apropriadas pelo artista Órion Lalli e transformadas em personagens híbridos – a polêmica se deu especialmente por uma Virgem Maria dentro de um altar ornamentado que tinha o seio exposto e um órgão sexual masculino em evidência.

Deputados ligados ao PSL visitaram o CMAHO e, em seguida, fizeram uma queixa-crime contra o artista na Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância. Com o acionamento da esfera criminal-judicial, a instituição foi notificada e a obra retirada do local pelo próprio Lalli, momento que é registrado em um vídeo publicado na internet.

A Secretaria Municipal de Cultural do Rio afirmou em nota à imprensa que deverá manter a suspensão da exposição enquanto correm os trâmites legais, e que “reafirma seu compromisso com o respeito constitucional à liberdade religiosa e a todas as crenças” e que “nossos equipamentos abrigam manifestações culturais de todas as linguagens e estilos, sendo um dos nossos pilares o respeito à liberdade artística”.

Em postagem em uma rede social, o artista declarou que encarar um episódio de censura em pleno 2020 parece algo impensável. Militante LGBTQIA+ e vivendo com HIV, afirmou que em um espaço como o CMAHO, deveria-se respeitar a laicidade dos espaços públicos e políticos, especialmente considerando que não se trata da representação de uma santa cristã, mas sim de um recorte de elementos, de várias imagens.

“É a minha santa. É o meu oratório. É o meu corpo HIV+ sendo ofertado pra essa minha imagem. As pessoas lêem isso como quiserem”, declarou. Depois, em outro post, escreveu: “Hoje, dia 02/03/2020, eu, Órion Lalli, autor da obra “TODX XS SANTXS renomeado #EuNãoSouDespesa” (fragmento de 6 obras do projeto EM.COITROS), retiro minha obra em respeito aos demais artistas que estão expondo junto ao meu trabalho a partir do convite da LAVRA no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica (…) por meio da decisão de notificação de suspenção (sic) de visita pública documento 001/2020 da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro sob responsabilidade do Sr. Adolfo Konder. Peço aos responsáveis que REABRAM a exposição em respeito aos direitos e garantias fundamentais / liberdade de expressão / democracia / valores caros citados no artigo 5° da Constituição”. Até o momento, a justiça ainda não se pronunciou sobre o caso.

Com a repercussão na mídia, Lalli e outros artistas e curadores tem se manifestado contra o episódio de censura, relembrando os valores constitucionais da liberdade de expressão e de criação, além de reforçar a laicidade do Estado em seus comentários e manifestações.