Deolinda Aguiar

Tempo de leitura estimado: 2 minutos

Deolinda Aguiar nasceu em Ribeirão Preto, mas atualmente vive e trabalha em São Paulo. Sua pesquisa estabelece diálogos íntimos com a arquitetura dos espaços que ocupa, utilizando materiais estruturais para refletir as e sobre estruturas de poder. Seu interesse pela exploração do espaço arquitetônico e o desejo de alterá-lo informam obras como “Provisório” e “Ilha”, de 2017, nas quais a artista utiliza fios elétricos saindo da parede, seccionados e dispostos horizontalmente, com as pontas desencapadas, ou então presos ao piso e ao teto, formando uma espécie de coluna frágil que emula a sustentação da sala, mas que na realidade permanecem tensionados por uma última fina ligação.

Trabalhando em diferentes suportes – da fotografia à escultura, do vídeo à performance, da instalação à escrita – Aguiar vem desenvolvendo maneiras singulares de ressignificar os materiais encontrados e apropriados com os quais lida cotidianamente, interessando-se cada vez mais pelos desencontros e abismos entre as formas de comunicação contemporânea. Em trabalhos como “Número e importância”, composto por gráficos antigos, a artista interfere com escrita assêmica sobre todos os textos que o papel carrega, obliterando as informações e tornando ilegíveis os dados que tornam aquele material gráfico útil e relevante.

Já “Mil folhas e Três blocos” é uma instalação formada por 4 toneladas de papel A4 que Aguiar conseguiu recolher de diversas instituições públicas em São Paulo. Os papéis são agrupados em blocos, revestidos por cola branca com corante preto, impedindo o sujeito de manipular as folhas e, por consequência, ter acesso ao que está impresso e escrito sobre o material. Empilhados em forma de coluna ou formando como um muro negro, os papéis formam barreiras e tornam-se elementos arquitetônicos que modificam a fruição do espaço expositivo.

Entre as exposições mais importantes que participou destacam-se Coletiva Love me tender, no SAO Espaço de Arte; Individual Em branco, no SAO Espaço de Arte; About Change, no World Bank of América; XVIII Bienal de Cerveira; Coletiva Entre tempos, Instituto de Pesquisas Carpediem. Participou da coletiva Strip, na Fredric Spitzer Gallery/ Miami/USA, no projeto Vitrines MASP 2013, coordenado por Regina Silveira, 10o Abre Allas da Galeria Gentil Carioca/RJ, Nos limites da arte com o Atelie Fidalga no Paço das Artes, e Fidalga na SPARTE 2010. Recebeu o prêmio Aquisição no 33 Salão de Arte Contemporânea de Santo André. Tem seu trabalho nas Coleções de Arte do World Bank of America em Washington-DC e na Prefeitura de Santo André.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
pt_BR