Fernanda Feher

por Julia Lima

Tempo de leitura estimado: 2 minutos

Fernanda Feher é uma artista singular. Sua produção ocupa um lugar inusitado, um espaço limítrofe entre reprodução de imagem de matriz fotográfica, edição digital, pincelada e cor, simbolismo e referência histórica. Feher toma emprestado dos mais variados campos, de memes da internet e de pintoras icônicas como Frida Kahlo, de letterings típicos do word art e de signos pictóricos clássicos, de episódios de sua vida pessoal e de tensões políticas tão presentes que chegam a criar ruído.

A artista acumula, manipula e reverbera esses elementos em suas pinturas, desenhos e assemblages, lançando mão ainda de transfers em tecido, adesivos e stickers, figuras de emojis, apliques “decorativos” e todo e qualquer material que possa contribuir para a fabricação de uma polifonia vibrante e, por vezes, cacofônica. Feher se interessa imensamente pelo formato do retrato – seja a auto-representação, seja a reprodução da imagem do outro. Esse ponto de partida, no entanto, pode levar depois a caminhos muito distintos.

Primeiro, os personagens dessas histórias são apropriados não só da cultura de massa, mas frequentemente do círculo de família e amigos de Feher. Há uma intimidade afetiva entre retratados e pintora, palpável por quem observa as obras. Depois, o ampliado vocabulário visual empregado nas composições (que de imediato impactam pelo furor) vai ganhando segundos e terceiros significados e, assim, as simbologias míticas e oníricas que se afastam da esfera íntima nos aproximam de um universo paralelo de ficção e imprevisibilidade.

Por outro lado, há um momento de pausa na contemplação de seus trabalhos que nos permite entrever, atraídos por algum indício sutil captado entre as figuras agitadas, a construção de outras narrativas poéticas que motivam sua produção. Há por detrás de sua produção não apenas a vivência particular, os delirantes protagonistas e os ícones pop, mas também uma potente reflexão política e social sensível às questões contemporâneas de gênero, violência, pertença, liberdade, raça, sobrevivência e futuro.

Fernanda Feher atualmente vive e trabalha em Lisboa, Portugal. Ela foi aluna da Art Students League de Nova York, e graduou-se em Belas Artes pelo Pratt Institute. Participou de diversas exposições, incluindo “Flameproof”, 2013, coletiva na Park Ave Gagosian space, Nova York; “While You were Sleeping”, 2015, Fine and Raw Chocolate Factory, Nova York, com curadoria de Janaina Tschape; “Womankind”, 2016, exposição online no Collectionair, com curadoria de Rita Almeida Freitas; e “Gardening at Night”, 2016, individual na Lazy Susan Gallery, Nova York, com curadoria de Gisela Gueiros.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
pt_BR