Ingrid Bittar

por Julia Lima

Tempo de leitura estimado: 2 minutos

Ingrid Bittar nasceu no Rio de Janeiro, em 1989, e sua produção visual teve início em 2012, já investigando as possibilidades da colagem. A artista sempre parte de imagens encontradas em livros, mas também eventualmente em revistas, catálogos de exposições e outros materiais impressos. Suas primeiras séries eram profusas composições repletas de elementos ora destoantes, ora ajustados, sempre em pequeno formato; havia muito pouco ou nenhum espaço para o vazio. Com algum tempo de produção, os recortes foram diminuindo e o nível de complexidade das colagens aumentou consideravelmente.

Alguns elementos que já se repetiam continuam a mostrar-se com frequência: figuras religiosas, arquiteturas e ambientes internos, flores, plantas, pássaros e outros animais povoam as colagens em combinações das mais variadas. Além disso, partes de corpo, objetos inanimados, e referências à história da arte (como personagens pintadas no notório retábulo de Jan Van Eyck ou a Vênus de Boticelli) também compõem as minuciosas articulações de Bittar, que cria quimeras surreais e cenas tão insólitas que, por mais bizarras que pareçam, são perfeitas e fazem sentido dentro da lógica das obras. Em séries mais recentes, a artista passou a empregar fundos neutros, com as figuras destacadas contra segundos-planos brancos ou pretos, aventurando-se também em dimensões mais ambiciosas e composições mais intrincadas e delicadas.

Por fim, a dimensão doméstica e a esfera do feminino se colocam como assuntos evidentes ou presentes no subtexto das obras, reiterados até hoje. Desde 2015, a pesquisa de Bittar também se desdobrou em outros suportes, ampliando o escopo do trabalho. Buscando alternativas à colagem, começou a realizar pequenos bordados, que à primeira vista poderiam parecer distantes da matéria fundamental de sua produção, o papel, mas que se constituíram como uma consequência natural do processo: a técnica lida diretamente com a esfera do doméstico, do feminino, e os assuntos escolhidos também ecoam esse universo.

Ingrid Bittar graduou-se em Desenho Industrial pela PUC-Rio e foi aluna da Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Em 2014, foi selecionada para o 89plus sediado no MAM-Rio, organizado por Hans Ulrich Obrist e Simon Castets. Seu trabalho integra a coleção Gilberto Chateaubriand e o acervo permanente do MAM-Rio, tendo sido incluído em duas exposições no museu; “Novas Aquisições 2012 – 2014” e “Ver e Ser Visto”. Em 2016 foi indicada para o Prêmio PIPA.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
pt_BR