Machines à penser

Fondazione Prada, Veneza

Tempo de leitura estimado: < 1 minuto

A Fondazione Prada de Veneza apresenta a exposição “Machines à penser”, com curadoria de Dieter Roelstraete. A mostra explora a correlação entre as condições do exílio, fuga, e retiro, e os lugares físicos ou mentais que propiciam e favorecem a reflexão, o pensamento e a produção intelectual. “Machines à penser” tem seu foco em três grandes filósofos do século XX: Theodor W. Adorno (1903-1969), Martin Heidegger (1889-1976) e Ludwig Wittgenstein (1889-1951). 

Os dois últimos compartilhavam do desejo por isolamento intelectual por toda a vida. Heidegger passou grandes períodos isolado em uma cabana no vilarejo de Todtnauberg, na Floresta Negra, Alemanha, enquanto Wittgenstein recolhia-se diversas vezes à um pequeno chalé na montanha em um fiorde, em Skjolden, Noruega. Adorno, por outro lado, foi forçado ao exílio durante o regime nazista, primeiro em Oxford e depois em Los Angeles, onde ele escreveu Minima Moralia, uma coleção de aforismos que, entre outros temas, refletiam sobre o destino de sua migração forçada. 

Esses temas servem de pano de fundo para as instalações do artista e poeta escocês Ian Hamilton Finlay, uma peça central para a exposição. Como explica o curador, esses eram os lugares onde os protagonistas da mostra criaram e nutriram seus pensamentos mais profundos. Isolar-se, seja de maneira escolhida ou imposta, parece tê-los inspirado de forma decisiva. 

Machines à penser
Abertura: 26/05
Visitação: até 25/11/18; quarta a segunda, 10h-18h
Fondazione Prada Veneza: Ca’ Corner della Regina, Calle de Ca’ Corner, Santa Croce 2215, 30135 Veneza. Ingressos: €10 (inteira), €8 (meia)

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support