Novos caminhos para a arte e mercado pós-pandêmicos no Brasil

Artistas, curadores, galeristas e pesquisadores respondem sobre alguns impactos e desdobramentos da pandemia na arte

Tempo de leitura estimado: 4 minutos
Marjô Mizumoto
Detalhe da obra Miss Empatia (2020) de Marjô Mizumoto

Será que já é possível analisar novos caminhos para a arte desde que se iniciou a pandemia? É difícil tirar conclusões enquanto vivenciamos os acontecimentos, mas fato é que o mundo mudou. Por isso, convidamos diferentes profissionais do circuito artístico para responder quais impactos já podemos perceber na produção e na aderência do mercado nacional. 

Temáticas das obras

Cada artista tem suas pesquisas poéticas próprias, mas precisam equilibrar seus interesses com as demandas do mercado e do contexto em que vivem. Thomaz Pacheco, galerista da OMA e fundador da plataforma de marketplace, NANO Art Market, explica que do seu ponto de vista houve um grande impacto nas narrativas apresentadas, uma crescente da temática a respeito da solidão e necessidade da relação humana. Florencia Azcune, consultora de arte da KURA, concorda com essas afirmações e ainda ressalta a ascensão do retorno da linguagem figurativa que, segundo ela, também é um desdobramento do desejo do artista em retratar os encontros com as pessoas e o cotidiano que foi interrompido. 

Outro assunto que se avolumou foi o de caráter político, que pode até não ter uma ligação direta com a situação pandêmica, mas certamente foi acentuada por ela. O artista de mídias digitais, Gustavo Von Ha, acrescenta: “Acho que a internet se mostrou um campo de batalha política poderoso”. Entretanto, alguns galeristas alegam que o consumo não tem acompanhado essa produção. Uma razão para isso, pode ser também porque, paralelamente a tudo isso, houve uma maior procura por obras de tratamentos coloridos e temáticas que trouxessem um certo conforto emocional. 

Relações imagéticas e/ou digitais com a arte

Nesses últimos anos experimentamos a arte majoritariamente por meio de suas reproduções, seja pela divulgação nas redes sociais ou pelas exposições onlines. E claro, as novidades que os NFTs trouxeram com a tecnologia de blockchain e a garantia da aplicação da Lei de Sequência para os artistas, somadas à impossibilidade do encontro presencial, sem dúvidas resultaram num estímulo para as obras digitais. 

Alguns trabalhos, mesmo não tendo sido criados para esses formatos virtuais, sobrevivem bem – é o caso, por exemplo, da obra Tudo Passa do artista Mano Penalva, que foi amplamente compartilhada nas redes sociais durante o período, e assim, recebeu novas camadas de interpretação – mas outros, não. “É importante termos o cuidado de perceber até que ponto a arte coincide com a imagem e até que ponto é preciso reivindicar outro tipo de experiência que não se traduz numa reprodução fotográfica ou nessas plataformas digitais”, nos atenta a curadora, crítica e pesquisadora cultural, Pollyana Quintella.

Andrey Rossi
Intervalos para um fim I (2020) de Andrey Rossi – OMA Galeria

Von Ha, trabalha com essas mídias há muitos anos, mas na pandemia seu trabalho teve uma popularização eminente, sobretudo no Instagram. Enquanto as instituições reproduziam, o artista buscou usar a própria internet para criar experiências artísticas: ele fez conteúdos diários na plataforma de modo que seus stories fossem, segundo ele, uma espécie de vídeo-arte.

A imagem em si foi muito estimulada e consumida, dessa maneira, o consumo da arte digital e da pintura passam por um caminho em comum: as telas (canvas ou digitais).

Praticamente todos os entrevistados afirmam ter percebido um boom no retorno da pintura. Eles concordam que, tendo os consumidores passado mais tempo isolados, notou-se mais o próprio espaço, gerando então, uma procura maior por trabalhos que pudessem estar em casa – não necessariamente trabalhos decorativos, mas muitas vezes, obras que viessem a cumprir esse papel e dessem um novo ar para o ambiente.

Podemos entender então que o tempo excessivo que passamos com o universo digital e suas possibilidades de criação, de alguma maneira, podem ter  impulsionado a carência do contato físico intermediado por técnicas do “fazer manual”- como, além da pintura, a cerâmica e bordado, que estão fortemente presentes em eventos pelo mundo todo incluindo a Bienal de Veneza e as novas feiras de arte do Brasil.

Still da obra Von Britney (2021) de Gustavo Von Ha

Isolamento em ateliês, mercado e desigualdade social 

No auge da pandemia, se isolar foi uma necessidade, mas também um privilégio, sobretudo para trabalhadores informais – sem registro. Quintella, nos chamou atenção sobre como as circunstâncias escancararam as condições de trabalho dos artistas. “As desigualdades pautam o circuito artístico com muita intensidade.” ela certifica. 

E ao contrário do que se pode imaginar, os entrevistados não afirmaram perceber mudanças significativas na decisão de compra por questões monetárias. Thomaz Pacheco ainda acrescenta: “O que aconteceu foi uma dicotomia, enquanto a sociedade passava pelo momento mais restrito da pandemia, houve um aquecimento do mercado de luxo”. Vimos o número de bilionários crescer no país nos últimos dois anos, e assim os grandes colecionadores e aqueles que veem a arte como um investimento ou até como especulação aqueceram as vendas de obras. 

Tudo Passa Mano Penalva.
Tudo Passa (2016) de Mano Penalva. Foto: Ivan Padovani

No início do período cresceu o debate sobre a valorização das diferentes produções criativas, entre filmes, músicas, livros, entre outros, que nos acolheram e trouxeram um pouco de sanidade num momento de tanto distanciamento humano. O mercado nacional também foi particularmente aquecido devido às dificuldades de importação de obras, tanto pela moeda que foi desvalorizada como pelos altos custos de frete. A maioria dos entrevistados, de diferentes posições da área, perceberam essa crescente de vendas e atribuem todos esses fatos apresentados como uma justificativa para tal.

Mas, para os artistas há sempre muita instabilidade e insegurança para o futuro. Mano Penalva lembra: “Houve um momento que a gente não sabia se o mundo ia continuar, mas os boletos estavam ali e continuam ainda”, ele brinca.

Portanto, entende-se que muitos fatores tiveram uma crescente: a produção, o consumo e o poder aquisitivo de uma pequena parcela da população.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support