Celebrado por sua visão poderosa e intransigente, Steve McQueen cria um trabalho que aborda questões urgentes de representação, identidade e história. A Tate Modern apresenta a primeira grande investigação de seu trabalho no Reino Unido depois de mais de 20 anos, oferecendo um momento oportuno para refletir sobre esses temas. Com 14 importantes obras que abrangem cinema, fotografia e escultura, a exposição é uma oportunidade sem precedentes para  aprofundar-nos na carreira de McQueen no Reino Unido, pela primeira vez desde que recebeu o Prêmio Turner em 1999.

Nos últimos 25 anos, McQueen (n.1969, Londres) criou alguns dos trabalhos mais inovadores de imagem em movimento projetados para espaços de galeria, bem como quatro filmes aclamados pela crítica cinematográfica: Hunger (2008), Shame (2010), 12 Anos de Escravidão (2013) e Widows (2018). A exposição revela como as abordagens pioneiras de McQueen ao cinema expandiram a maneira como os artistas trabalham com o meio, criando retratos comoventes de tempo e lugar.

Os visitantes poderão ver trabalhos pessoais e íntimos, como o primeiro filme de McQueen realizado em uma câmera Super 8, Exodus 1992/97, que reflete sobre migração e multiculturalismo em sua cidade natal, Londres, e 7 de novembro de 2001, no qual o primo do artista, Marcus, relata o dia trágico em que ele acidentalmente atirou e feriu fatalmente seu próprio irmão. Estes trabalhos são acompanhados por instalações de vídeo imersivas e de grande escala, como Western Deep, de 2002 e Static, de 2009. Western Deep apresenta uma exploração sensorial intensa das condições de trabalho dos garimpeiros na África do Sul, enquanto Static impressiona com a filmagem aérea da Estátua da Liberdade e seu exame potente de uma figura familiar e fortemente simbólica que raramente pode ser inspecionada de perto. Como parte da exposição, McQueen optou por exibir uma das telas do filme de dois canais Caribs ‘Leap (2002), na icônica fachada fluvial de Tate Modern. Mostrado em uma tela gigante de 7 metros, o Caribs’ Leap acompanha um dia na ilha caribenha de Granada, retratando o ciclo da vida e da morte. Ao mostrar esse trabalho com vista para o rio Tamisa, McQueen convida o espectador a considerar as histórias e as conexões transatlânticas entre Granada, de onde é a família do artista, e a vida cotidiana de Londres, que abriga muitas pessoas de descendência das Índias Ocidentais.

Trabalhos mais recentes incluem a assustadora instalação de vídeo Ashes (2002–15), que faz uma emocionante homenagem à memória de um jovem pescador que o artista conheceu e filmou em Granada em 2002, morto por traficantes no ano seguinte. Pela primeira vez no Reino Unido, o público pode ver End Credits (2012) – em andamento-, a homenagem de McQueen ao cantor, ator e ativista de direitos civis afro-americano Paul Robeson (1898–1976) que, após uma carreira de sucesso como ator, foi  incluído na lista negra nos anos 50 e sob vigilância do FBI. O trabalho consiste em rolar slides dos relatórios do FBI sobre Robeson, com uma trilha sonora de vozes lendo os documentos com redação pesada. A exposição também apresenta o Weight 2016, uma escultura exibida pela primeira vez por Artangel no Reading Gaol, recentemente fechado, onde Oscar Wilde havia sido preso e escreveu De Profundis (1897). Apresentando uma rede mosquiteira banhada a ouro sobre um dos quadros de metal da prisão para criar uma aparição cintilante, Weight explora a relação entre proteção e confinamento, o físico e o espiritual, e o poder redentor da imaginação.

Compartilhar