Veredas | Rosana Paulino: Búfala | Santiago de Paoli: Bebê Rasteja

Galeria Mendes Wood DM, São Paulo

Tempo de leitura estimado: 2 minutos

Veredas
Esse aquém e além dos mapas: nonada
“Nonada”. A primeira palavra com a qual João Guimarães Rosa começa o Grande Sertão: Veredas, 1956. Ao contrário do que se especulou, nonada não é uma palavra inventada, os dicionários atestam o significado como pouca coisa, ninharia. Mas a palavra pode ser considerada como um exercício de apontaria do narrador que atira contra uma árvore. De praticamente nada o autor elabora uma grande travessia, existencial e telúrica, que é, enfim, uma grande negociação da existência com a terra. Ainda nas primeiras páginas, Rosa escreve: “O gerais corre em volta. Esses gerais são sem tamanho”. Nonada. Os artistas aqui presentes também exercitam a pontaria, buscam longe tudo aquilo que chamamos imagem. Eles são seres do sertão. Possuem uma forte ligação com Minas Gerais que aqui é muito menos identitária e muito mais uma disposição à travessia. Com uma distância que é simultaneamente geológica e geográfica, diversas são as obras que apresentam a experiência da terra.

 

Rosana Paulino: Búfala
A Mendes Wood DM São Paulo tem o prazer em apresentar “BÚFALA”, primeira exposição individual de Rosana Paulino na galeria. A mostra reúne trabalhos recentes e outros antigos da artista paulistana em diversas mídias como desenho, tecidos e esculturas. Paulino explora desde os anos 90 a historicidade da imagem e os efeitos de sua memória nas construções psicossociais, percorrendo assim diversas referências cruzadas entre a sua história pessoal e a história fenomenológica do Brasil tal como se constituiu no passado e existe hoje. Sua pesquisa compreende as construções de mitos como pilares não apenas estéticos mais influenciadores psíquicos, do lugar da mulher negra e além, do lugar da não-
existência da sua imagem.

 

Santiago de Paoli: Bebê Rasteja
Mendes Wood DM São Paulo tem o prazer de apresentar a primeira exposição individual do artista argentino Santiago de Paoli no Brasil. “Bebê Rasteja” reúne pinturas recentes em óleo sobre feltro, cobre, papelão e madeira. De Paoli desenvolve sua pintura em um campo peculiar da discussão sobre imagem, trazendo elementos cotidianamente observáveis como a lua, estrelas, objetos domésticos e genitálias. Essa simplicidade na construção da imagem é o contraponto aos materiais não-usuais no suporte do seu trabalho, aonde explora questões fundamentais da pintura como luz e cor.

 

Veredas
Rosana Paulino: Búfala
Santiago de Paoli Bebê Rasteja
Abertura:
23/11/19 16h-20h
Visitação: até 30/01/2020; segunda a sábado, 11h-19h
Mendes Wood DM: R. da Consolação, 3368, São Paulo. Entrada gratuita

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support