Faith Ringgold ganha sua primeira retrospectiva completa em NY

Exposição contempla mais de 50 anos de trabalho da artista, incluindo suas celebradas ‘quilts’, e obras menos conhecidas

Tempo de leitura estimado: 3 minutos

É impossível falar de arte norte-americana sem citar o nome de Faith Ringgold. A pintora, escultora, performer, escritora e professora nascida em 1930 no Harlem ganha agora sua primeira retrospectiva completa no New Museum, em Nova York, em cartaz até 5 de junho.

Faith Ringgold, 1993
Faith Ringgold, 1993

Ringgold é professora de arte emérita na Universidade da Califórnia, em San Diego, e já recebeu 23 títulos honoris causa e mais de 80 prêmios. Sua celebrada trajetória artística e acadêmica reflete a história dos Estados Unidos no século 20 mesclada a experiências pessoais de Ringgold, pelas lentes críticas de uma mulher negra, mãe, artista e ativista. 

A exposição começa com as primeiras pinturas de Ringgold, incluindo as séries American People e Black Light. Ela utilizava o que chama de linguagem “super realista” para capturar as divisões de gênero e raça na sociedade americana dos anos 1960.

Black Light Series #11: US America Black, 1969, Faith Ringgold
Black Light Series #11: US America Black, 1969, Faith Ringgold

Três grandes murais da série American People, incluindo #18: The Flag is Bleeding e #20: Die, serão mostrados juntos pela primeira vez em Nova York desde 1984. Eles serão apresentados junto a posters criados por ela para apoiar causas políticas, como os Panteras Negras e a libertação da ativista Angela Davis. 

The American People Series #18: The Flag is Bleeding, 1967, Faith Ringgold
The American People Series #18: The Flag is Bleeding, 1967, Faith Ringgold
Women Free Angela, 1971, Faith Ringgold
Women Free Angela, 1971, Faith Ringgold
Faith Ringgold
O mural For the Women’s House de 1971 criado para a prisão feminina em Rikers Island e comprado recentemente pelo Brooklyn Museum também estará na exposição

As tankas, inspiradas na arte tibetana de emoldurar pinturas com tecidos ricamente adornados que Ringgold passou a fazer no início de 1970, também serão exibidas. Elas, já naquela época, desafiavam o cânone e incorporavam referências não ocidentais, assim como bagunçavam supostas divisões entre arte e artesanato. 

Echoes of Harlem, 1980, Faith Ringgold
Echoes of Harlem, 1980, Faith Ringgold

As tankas, aliás, tem relação direta com suas famosas colchas, estas sendo a continuação daquelas. Ela fez sua primeira quilt, Echoes of Harlem, em 1980 em colaboração com sua mãe, Willi Posey — criando, assim, um método muito particular de pintar, bordar e contar histórias.

As narrativas dispunham tanto de memórias pessoais quanto coletivas e apontavam para questões sociais complexas e transformações culturais, como a Renascença do Harlem e a realidade de Ringgold. É a primeira vez que a série completa The French Collection será apresentada em cerca de 25 anos. Séries importantes como The Bitter Nest e Change também estarão lá.

The French Collection #6 Matisse’s Chapel, 1991, Faith Ringgold
The French Collection #6 Matisse’s Chapel, 1991, Faith Ringgold

A curadoria é de Massimiliano Gioni e Gary Carrion-Murayari com assistência de Madeline Weisburg. O catálogo da exposição, publicado em parceria com a Phaidon, terá textos de curadores, escritores e artistas, entre os quais Diedrick Brackens, Jordan Casteel e Michele Wallace, filha de Ringgold.

Faith Ringgold: American People

Data: até 5 de junho

Local: New Museum

Endereço: 235 Bowery New York, NY

Funcionamento: terça a domingo, das 11h às 18h

Ingresso: $18 dólares (inteira) por aqui

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support