Burle Marx

por Julia Lima

Tempo de leitura estimado: 2 minutos

Roberto Burle Marx foi um dos maiores paisagistas, arquitetos e artistas do Brasil. Nascido em São Paulo, viveu e estudou em Berlim no final da década de 1920, onde passou a interessar-se por arte e por botânica – especialmente pelo contato com os mestres modernistas e com os exemplares da flora brasileira nos jardins botânicos da Europa. Estudou na Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro, no início dos anos 30, e muda-se para Recife em 1934, para ser diretor de parques e jardins da cidade. O artista sempre pintou e desenhou, mas o ponto central de sua carreia foram os mais de 2000 projetos de paisagismo que realizou, sempre seguindo princípios como o uso de materiais locais, contornos definidos, cores diversas e padrões geométricos. Entre suas muitas realizações estão o Aterro do Flamengo e o jardim do MAM (Rio de Janeiro), o Conjunto da Pampulha (Belo Horizonte) e o Eixo Monumental (Brasília).

Mas algumas obra-primas de Marx são menos conhecidas do grande público. Organizamos aqui um roteiro para quem estiver no Rio de Janeiro e quiser conhecer a principal empreitada do paisagista na cidade: em 1949, Burle Marx adquiriu um sítio perto da capital fluminense, em Guaratiba. Assim nasceu o que hoje é o Sítio Roberto Burle Marx, um Centro de Estudos de Paisagismo, Botânica e Conservação da Natureza inserido em uma região de vegetação nativa do Maciço da Pedra Branca. Residência de Burle Marx de 1973 até 1994, ano de sua morte, o sítio é hoje uma unidade especial vinculada ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), que preserva a estrutura tal como na época em que o artista vivia ali, incluindo o mobiliário, as coleções de arte sacra, as pinturas e as esculturas do próprio e de artistas contemporâneos, peças de arte pré-colombiana, obras de arte popular brasileira em cerâmica do Vale do Jequitinhonha e objetos de decoração.

O destaque do local, porém, é o gigantesco acervo botânico e paisagístico que inclui cerca de 3.500 espécies cultivadas, com foco em plantas tropicais nativas do Brasil. Reconhecido como uma das mais importantes coleções de plantas vivas existentes no mundo, o centro organiza concertos, exposições, recebe grupos de escolas, realiza seminários e projetos ambientais.

Para visitar o Sítio, é preciso agendar horário diretamente com a instituição. Todas as visitas são acompanhadas por educadores que contam tanto sobre o acervo artístico quanto botânico do museu.

 

Para não se perder:

  • MAM Rio – Av. Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Rio de Janeiro.
  • Complexo da Pampulha – Casa do Baile, Museu de Arte da Pampulha, Iate Tênis Clube, Igreja São Francisco de Assis. Belo Horizonte.
  • Eixo Monumental – Brasília, Distrito Federal.
  • Sítio Roberto Burle Marx – Estrada Roberto Burle Marx, 2019, Guaratiba, Rio de Janeiro. Agendamento: 3ª a sábado, 9h30 e 13h30. Ingressos: R$ 10,00 (crianças até 5 anos não pagam, idosos e estudantes pagam meia). Grupos fechados: horário a combinar (até 35 pessoas / 90 min. de duração). Visita especial: visita privativa e/ou fora do horário. Telefone: (21) 2410-1412 / srbm@iphan.gov.br
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support