Bienal de São Paulo anuncia time de curadores de 2023

Coletivo curatorial da próxima exposição será composto por Diane Lima, Grada Kilomba, Hélio Menezes e Manuel Borja-Villel

Tempo de leitura estimado: 2 minutos
Diane Lima,  Grada Kilomba, Hélio Menezes, Manuel Borja-Villel
Coletivo curatorial da 35ª Bienal de São Paulo será composto por Diane Lima, Grada Kilomba, Hélio Menezes e Manuel Borja-Villel

Depois de um longo e denso processo que marcou a 34ª Bienal de São Paulo, a Fundação Bienal anunciou hoje o coletivo de curadores responsável pela próxima edição, que acontecerá em 2023: Manuel Borja-Villel, historiador da arte; Grada Kilomba, artista multidisciplinar, escritora e teórica; Diane Lima, curadora independente, escritora e pesquisadora; e Hélio Menezes, antropólogo, crítico e pesquisador, vão desenvolver o trabalho de curadoria do evento de forma descentralizada.

A instituição segue uma tendência mundial de priorizar produções coletivas e descentralizadas – caso da próxima Documenta de Kassel, que será curada por um coletivo de dez artistas, o ruangrupa, de Jacarta, na Indonésia, e da última edição da Frestas – Trienal de Artes, que contava, inclusive, com Diane Lima na equipe curatorial.  Hélio Menezes tem ganhado destaque no mercado de arte desde sua participação na mostra Histórias Afro-Atlânticas e pela programação do CCSP – ele foi o responsável pela curadoria do espaço nos últimos 2 anos. A portuguesa Grada Kilomba é outra intelectual muito bem recebida no Brasil, principalmente depois do sucesso de seu livro Memórias da plantação: Episódios de racismo cotidiano, editado pela Cobogó, e sua individual na Pinacoteca de São Paulo. A artista também foi protagonista de uma discussão a respeito da representação portuguesa na Bienal de São Paulo. Já Manuel Borja-Villel, diretor do Museu Reina Sofía desde 2008, se destaca por um importante processo de revisão do acervo do museu, incluindo um número significativo de mulheres artistas da América Latina. 

A decisão pela curadoria coletiva ressalta a decadência do autoritarismo dos curadores, que abrem mão do poder em nome da horizontalidade – não há a figura de um curador-chefe. “A complementaridade desses talentos tem potencial de gerar um resultado fantástico”, disse José Olympio da Veiga Pereira, presidente da Fundação Bienal. “A equipe curatorial se formou voluntariamente e a proposta nos cativou por ser ambiciosa e intrigante”, complementa. Já estamos ansiosos. 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
pt_BR