Carla Chaim cria obras sobre experiências corporais em tempos de crise

Individual na Galeria Raquel Arnoud é composta por 30 obras onde o vermelho aparece como símbolo de urgência, intensidade e confronto

Tempo de leitura estimado: 2 minutos
Carla Chaim
Carla Chaim

Tendo como ponto de partida um corpo que arde, a mostra a terceira individual de Carla Chaim na Galeria Raquel Arnoud, que abre dia 6 de novembro, tem curadoria de Pollyana Quintella e é composta por trabalhos oriundos de experiências corporais em tempos de crise, pandemia e colapsos políticos. 

Febre reúne em torno de 30 obras, produzidas nos últimos dois anos, pautadas sobretudo no uso das cores preto e branco. O recente uso do vermelho marca uma dobra estética na linguagem da artista. Nas palavras de Chaim sobre seu interesse pelo vermelho, esta é a “cor do sangue que corre por todos os nossos organismos, tida por diversas culturas como símbolo de urgência, intensidade e confronto”. Em complemento, a curadora menciona que esta nova paleta é “fruto da busca por uma nova radicalidade e um alargamento dos contornos subjetivos”.

Carla Chaim
Carla Chaim
Carla Chaim
Carla Chaim

Febre

Data: Até o dia 18 e dezembro

Local: Galeria Raquel Arnoud 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support