Fragmentos poéticos de Miguel Rio Branco na Galeria Millan

Espaço abre no mesmo dia, 12 de março, a primeira individual do artista paraguaio Feliciano Centurión no Brasil

Tempo de leitura estimado: 3 minutos

“A mostra é um diálogo entre imagens sem lugar nem tempos específicos. Do pictórico ao simbólico, longe dos temas que são em geral a sina de quem pensa fotografia e sempre a relaciona a um lugar, a uma época, a um documento, a uma proposta social”, afirma Miguel Rio Branco sobre Sem palavras, só pintura, sua nova exposição na Galeria Millan, que abre no próximo sábado, dia 12.3. 

Azul e cinza com marca verde, 1994, Miguel Rio Branco
Azul e cinza com marca verde, 1994, Miguel Rio Branco

Fotógrafo, diretor de cinema e criador de instalações multimídia, Rio Branco mantém-se como um dos nomes mais relevantes da fotografia no Brasil. Entre a arte, a fotografia e o cinema, desenvolveu um trabalho documental de forte carga poética, explorando, por meio de paisagens ou figuras marginalizadas, temas como a passagem do tempo, a violência, a sensualidade e a morte. 

Blue eyes e basketball, 1994, Miguel Rio Branco
Blue eyes e basketball, 1994, Miguel Rio Branco

A exposição na Millan será composta por 37 fotografias, fragmentos que não revelam o todo pois são completos em si mesmos, enfatizando o olhar do olhar do artista sobre o cotidiano e a justaposição de imagens que formam uma escrita visual. Como o próprio nome da mostra indica, a linguagem fotográfica aparece acima de qualquer assunto ou narrativa externa à imagem. 

Fumando na abstração, 2001, e Roda de bicicleta na curva, 1994, Miguel Rio Branco

No mesmo dia, a galeria inaugura Feliciano Centurión: Beleza cotidiana, primeira individual do artista paraguaio no Brasil. Com curadoria de Dominic Christie, a exposição apresenta peças em tecido organizadas em três núcleos temáticos: Fauna e Flora, Iconografia Religiosa e Espiritual, e Materialidade.

Sem título (Cherry tree), s.d., Feliciano Centurión
Sem título (Cherry tree), s.d., Feliciano Centurión

O artista (1962-1996), ainda pouco reconhecido, garimpava em feiras cobertores infantis, aventais, almofadas e realizava neles intervenções manuais com bordados e crochê, processo que remonta ao ambiente doméstico, infantil, afetivo e majoritariamente associado às mulheres, além de evocar a cultura popular. Figuram em seus trabalhos referências da iconografia cristã, da fauna e da flora nativas da região subtropical do Paraguai. 

Sem título (Deer), s.d., Feliciano Centurión
Sem título (Deer), s.d., Feliciano Centurión

O contexto cultural de Buenos Aires, para onde mudou-se com a família durante os anos 1980, permitiu que Centurión explorasse livremente sua sexualidade, tema também presente em sua obra. Quando foi diagnosticado com HIV positivo, passou a desenvolver uma espécie de diário de bordados sobre pequenos travesseiros. Confessionais, seus trabalhos não excluem referências mais amplas e sutis do contexto político e social paraguaio e argentino, que passavam por uma frase de redemocratização. 

Sem palavras, só pintura e Feliciano Centurión: Beleza cotidiana

Data: 12 de março a 9 de abril 

Local: Galeria Millan e Anexo Galeria Millan 

Endereço: r. Fradique Coutinho, 1360 e 1416

Funcionamento: segunda a sexta, das 10h às 19h; aos sábados, das 11h às 15h

Ingresso: grátis 

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support