Projetos de doações aproximam o público e ajudam museus

Saiba como pessoas físicas podem auxiliar museus brasileiros; é mais fácil (e vantajoso) do que você imagina

Tempo de leitura estimado: 5 minutos

É certo que o setor da cultura foi um dos mais duramente atingidos pela pandemia de coronavírus. 

O “Relatório de impacto da pandemia e repositório Covid-19 para os museus”, realizado pelo Ibermuseus (programa de cooperação para os museus da Ibero-América), consultou 434 instituições de 18 países, incluindo Brasil, Espanha, México, Portugal e outros. 

Na pesquisa, 73% dos museus declarou reajuste de suas atividades em resposta às medidas restritivas. No MASP, por exemplo, a exposição “Histórias da dança”, prevista inicialmente para 2020, ocorreu só no virtual e o eixo temático anual das “Histórias indígenas” foi postergado para 2023.

Além disso, 60% das instituições mistas tiveram que demitir funcionários e 31% delas indicou que a principal necessidade é contar com recursos financeiros para manutenção e sustentabilidade de sua gestão. 

Aqui, esses fatores, aliados à instabilidade da Lei Rouanet, colocam os museus em uma situação ainda mais delicada financeiramente. 

Mas é possível que nós, como pessoas físicas, ajudemos a manter a programação de locais como o MASP, o MAM-Rio e Inhotim em troca de benefícios especiais — durante o ano todo, e não só em momentos de catástrofe. 

É o caso, por exemplo, dos programas de sócios que dão direito a entrada gratuita, visitas guiadas e acesso prévio às novas exposições e das doações via dedução no Imposto de Renda.

Museu do coração 

Mais do que a questão financeira, esses projetos criam um senso de comunidade com o entorno e podem incentivar o público a frequentar instituições culturais de forma mais regular, afirma Fabio Szwarcwald, diretor executivo do MAM-Rio. 

“Muita gente quer ajudar e não sabe como. Com esse tipo de programa, o associado tem acesso a toda programação do museu e é possível criar um engajamento para as pessoas participarem mais do museu”, diz. Segundo ele, no MAM, os atrativos que mais chamam atenção são a oportunidade de ver as exposições previamente, descontos e acesso aos eventos e seminários promovidos pelo museu. 

Parece simples, mas a criação desse tipo de programa por parte dos museus demanda estratégia e equipes para implementar e manter as contrapartidas funcionando. “A partir do momento que o associado entra, ele vai querer usufruir dos benefícios”. 

Fizemos uma lista de projetos acessíveis que conferem diferentes vantagens aos associados e, sobretudo, facilitam a relação com a arte.

Hélio Oiticica, Invenção da cor, Penetrável Magic Square #5, De Luxe, 1977, [detalhe], pintura sobre paredes de alvenaria, cobertura de metal e vidro, alambrado, seixo rolado, 15x15x4,5 m. Foto: Brendon Campos
Vista aérea de Invenção da cor, Penetrável Magic Square #5, De Luxe, 1977, de Hélio Oiticica, em Inhotim; foto: Brendon Campos

Inhotim

O programa Amigos do Inhotim tem como objetivo reunir pessoas conectadas à arte, à natureza e à arquitetura. Ao tornar-se membro, o associado passa a contribuir para a sustentabilidade do instituto, manutenção dos acervos e realização de projetos socioeducativos. Atualmente, o programa conta com cerca de 245 sócios. Em 2021, a plataforma passou por reformulações e hoje oferece entrada gratuita e sem filas, transporte interno de uma galeria a outra, além de descontos em serviços e eventos no Inhotim e em pousadas e hotéis parceiros. Os planos começam em R$ 175 (para pessoas com até 25 e ou com mais de 60 anos). Como medida de comparação, o valor inteiro do ingresso para três dias custa R$ 106. 

O legal é que é possível deduzir o valor total de adesão no Imposto de Renda. A Lei Federal de Incentivo à Cultura permite que doações para ações culturais sejam abatidas do IR. Pessoas físicas que declaram pelo formulário completo podem deduzir doações de até 6% do IR devido. O valor que seria pago ao governo pode ser utilizado para apoiar projetos culturais, e você não pagará mais imposto com isso, nem terá sua restituição diminuída.

[Arquitetura] Fachada Vista Noturna da Laje do Bloco Escola (1)
Vista noturna do MAM-Rio

MAM-Rio

O projeto Agente passou por uma reformulação no último ano para que atingisse de forma mais efetiva o público. Hoje, são cerca de 200 participantes. São duas categorias nos valores de R$ 190/ano (individual, R$ 95 a meia para estudante, professor e 60+) e R$ 270/ano (dupla). Os benefícios incluem entrada ilimitada, convites para aberturas, visitas guiadas, encontros sobre arte e cultura, descontos no MAM e instituições parceiras. No final do ano, também é possível contribuir doando seu imposto de renda. Em 2021, o museu captou R$ 320 mil nessa modalidade. 

Museu do Amanhã_foto: Albert Andrade
Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro; foto: Albert Andrade

Museu do Amanhã

“Para o museu, é muito importante que o público faça parte da construção de um amanhã mais sustentável, apoiado na inovação, ciência e cultura, e o programa de sócios permite isso. Dessa forma, o público pode ser parte integrante e fundamental do Museu do Amanhã”, afirma Eduarda Mafra, gerente de desenvolvimento público e programação da instituição. Por lá, o programa Amigos do Amanhã está passando por uma renovação e em breve será relançado como Sócios do Amanhã. Os associados têm direito a entrada ilimitada e expressa durante um ano, convites para aberturas de exposições, atividades exclusivas, além de descontos no museu e em instituições parceiras. A adesão é feita a partir de um plano individual de R$ 80/ano e podem ser adicionados até 7 dependentes no valor de R$ 60/ano cada. A entrada cheia no museu custa R$ 30. 

MASP_foto: Eduardo Ortega
MASP em dia de avenida Paulista fechada para os carros; foto: Eduardo Ortega

MASP

No MASP, existem programas como os de Patronos e Jovens Patronos, as edições de arte anuais, a festa beneficente (MASP Festa) e o projeto Amigo MASP — este último conta, hoje, com 3.000 participantes. São 5 categorias que variam entre R$ 120 e R$ 405/ano (uma entrada inteira custa R$ 50). Entre os benefícios, estão entrada free e sem filas, convites para visitas exclusivas, direito a um acompanhante no mês de aniversário, descontos nas dependências do MASP e em parceiros. “O MASP é um museu privado, sem fins lucrativos, que inicia todos os anos com um grande desafio de captação. Nesse sentido, as doações de pessoas físicas são fundamentais para a manutenção das atividades. Além da contribuição financeira, que representa por volta de 20% da receita total do museu, os membros dos programas estão totalmente engajados com o sucesso da instituição”, afirma Juliana Siqueira de Sá, diretora vice-presidente da instituição. 

Pina_foto: Levi Fanan
Pinacoteca de São Paulo; foto: Levi Fanan

Pina

O programa Amigos da Pinacoteca, criado em 2010, já angariou mais de R$ 1 milhão desde a sua inauguração. O projeto possui 6 categorias diferentes de adesão. O mais barato é o cartão individual, que custa R$ 100/ano (para estudantes, professores e 60+), e dá direito a entrada gratuita durante 1 ano, visitas guiadas, previews de exposições, além de descontos na Pina e em parceiros (para comparação, os ingressos custam R$ 20 a inteira e R$ 10 a meia). O dinheiro arrecadado é usado de forma abrangente: programas educativos, novas exposições, publicações, restauro e conservação de obras. “Esse é o programa que mais cresce na instituição hoje”, diz Jaqueline Viana, responsável pela captação de recursos pessoa física (amigos e patronos). Atualmente, são mais de 350 associados. “O apoio de pessoas físicas se tornou fundamental para mantermos o museu funcionando e é gratificante ver o quanto as pessoas estão engajadas em apoiar espaços culturais”, completa.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support