ArtSampa começa nesta quarta, 16.3

AQA conferiu a montagem da mais nova feira de arte de São Paulo; veja aqui o que você vai encontrar por lá

Tempo de leitura estimado: 5 minutos

Começa amanhã, 16.3, a primeira edição da ArtSampa, que vai até domingo, dia 20.3, na OCA, construção de Oscar Niemeyer dentro do Parque Ibirapuera. 

O evento, idealizado por Brenda Valansi, da ArtRio, chega para incrementar o calendário de feiras de arte em São Paulo neste primeiro semestre, num momento em que as atividades presenciais são retomadas com animação. 

A ArtSampa inclui 39 galerias, com a proposta de que cada uma delas faça uma espécie de curadoria em seu estande, apresentando apenas um artista ou nomes relacionados; 9 instituições; o MIRA, programa dedicado a videoarte; ciclo de conversas e lançamento de livros.

Como Valansi afirmou ao AQA: “Nossa ideia é ir para outras cidades, levando o mercado da arte, que eu acredito ser uma ferramenta importante de impulsionamento cultural, para cidades menores com modelos menores”.

Dá uma olhada no que apuramos por lá. 

Térreo

O estande da Fólio tem ares de antiquário e é uma oportunidade para ver artistas históricos, de alguma forma, inseridos no movimento modernista. Estão lá aquarelas de Cícero Dias e Emiliano Di Cavalcanti, desenhos de Ismael Nery e Tarsila do Amaral, além de uma monotipia de Vicente do Rego Monteiro e uma xilogravura de Lasar Segall. Nas mesas com tampo de vidro, versões raras de Serafim Ponte Grande, de Oswald de Andrade, e Macunaíma, de Mário de Andrade.

Sem título, década de 1920, Emiliano Di Cavalcanti

Na data em que faria 90 anos, Nelson Leirner é homenageado no estande da Silvia Cintra + Box 4. “Me agrada o fato de banalizar o banalizado”, disse o artista, e esse é o mote que guia as obras expostas. Ao questionar a sacralização da arte e subverter imagens, Leirner encheu a cena clássica das meninas de Velázquez de ratos e insetos e fez Mona Lisa ganhar uma peruca de stickers.

Eu e Velázquez, 2014, Nelson Leirner

A Superfície escolheu um projeto voltado ao grupo Poema/Processo para dialogar com o contexto político atual na ArtSampa. O movimento, que ocorreu durante a ditadura militar no Brasil, surgiu como um rompimento criativo com a comunicação institucionalizada na literatura, na poesia e nas artes plásticas. Estão presentes trabalhos de Álvaro de Sá, Neide Sá, Moacy Cirne e Falves Silva, além de O Brasil é meu abismo (1982), de Daniel Santiago.

O Brasil é meu abismo, 1982, Daniel Santiago

Subsolo

No estande da Bordallo Pinheiro Brasil, saltam aos olhos as cerâmicas de Tunga e seus répteis com duas cabeças (ou dois rabos); os dedos coloridos saindo do acabaxi de A disciplina do sexo,de Carlito Carvalhosa; a releitura do beijo de Brancusi feita por Erika Verzutti entre um rabanete e um pimentão e figuras que lembram tentáculos de polvo, lançamento de Maria Klabin. 

Vista do estande da Bordallo Pinheiro Brasil na ArtSampa 2022

O estande de Gaby Indio da Costa Arte Contemporânea reúne maioria de artistas mulheres — por acaso, segundo a própria galerista. São elas Caroline Veilson, Rosângelo Dorazio, Anna Paola Protasio, Bel Barcellos, Marcus André e Manoel Novello. Os delicados bordados de Bel Barcellos divagam sobre sonhos, angústias, escolhas, limites e afetos. No trabalho inédito da série Muda, ela aborda o tempo, o corpo como abrigo e o fluxo da vida, tecendo significados sobre a palavra “muda”. Segundo a própria artista: “Como ensinamento observado na natureza, as mudas nos apontam caminhos para renovação, transformação e crescimento”.

 

Vista do estande Gaby Indio da Costa Arte Contemporânea na ArtSampa 2022
Muda #2, 2022, Bel Barcellos

Janaina Torres – Galeria brinca com os limites do que é real e do que é ficcional e conta com curadoria de Heloisa Amaral Peixoto em seu estande. São cinco artistas expostos: Ricardo Siri, Osvaldo Carvalho, Kitty Paranaguá, Paula Juchem e Laiza Ferreira. Instigadas pela arquitetura da OCA, Heloisa e Janaina trouxeram também o círculo como um ponto em comum entre os artistas. Destaque para o diálogo entre as formas de Paula Juchem possíveis de serem observadas em suas esculturas e pintura.

Sistemas para fugir da catástrofe 2, 2021, Paula Juchem

Uma das paredes do estande da Rodrigo Ratton Galeria é inteiramente dedicada aos bonecos de madeira feitos pelo Mestre Geraldo Cabueta, escultor da região de Juazeiro do Norte, interior cearense. Eles dialogam com trabalhos de Maria Lira Marques que remetem a pinturas rupestres e obras do artista Desali, cujo intuito é promover contato entre a periferia e o universo da arte. O estande evidencia o espaço que finalmente vem sendo dado por museus e galerias para artistas não brancos, autodidatas e para além do sudeste.

Bonecos feitos pelo Mestre Geraldo Cabueta e pinturas de Desali no estande da Rodrigo Ratton Galeria na ArtSampa 2022

O NFT estará presente nos estandes da Metaverse Agency, que apresentará obras de 11 artistas nacionais e internacionais em um espaço integrado de experiências imersivas, com realidade aumentada, projeções e holografia, e da Yaak Gallery, nascida no Metaverso. Visitantes do estande desta última, poderão, além de visitar as obras na galeria física, passear pela galeria no Metaverso a partir de um QR Code. 

Foto de divulgação da Yaak Gallery no Metaverso

ArtSampa

Data: 16 (preview) a 20 de março 

Local: OCA Ibirapuera 

Endereço: Av. Pedro Álvares Cabral, s/n, portão 2

Funcionamento: de quarta a sábado, das 13h às 21h, domingo, das 12h às 20h

Ingresso: R$ 50 / R$ 25 pelo site www.artsampa.com.br/tickets

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support