Filmes AQA: Cravos

Filme revela os conflitos entre três gerações de artistas: Mario Cravo Junior, Mario Cravo Neto e Christian Cravo

Pôster Cravos
Pôster Cravos

Saudades de um cineminha, ne? Eis um motivo justo para voltar a frequentar as salas de todo o Brasil: Cravos, documentário de Marco Del Fiol sobre os conflitos entre três gerações de artistas – o escultor Mario Cravo Junior; o multiartista Mario Cravo Neto; e, o fotógrafo Christian Cravo. Entre imagens de arquivos de famílias – que incluem momentos de alegrias e agressões –  , cenas deslumbrantes das viagens de Christian pela África e os trabalhos de cada artista do clã Cravo, o filme revela com delicadeza as angústias dos três quando falam sobre o processo criativo. 

Qualquer relação familiar é difícil – que atire a primeira pedra quem nunca discordou com um pai, irmão, tio ou primo. Quando um membro dessa família tem um trabalho artístico potente (o que na maioria das vezes é resultado de uma personalidade intensa!), certamente tudo fica mais complexo. Agora imagina três! Certamente nada foi fácil para ninguém. Houveram lágrimas de alegria, palavras de sabedoria, olhares duros e brigas profundas. 

Christian Cravo em Uganda
Christian Cravo em Uganda
Marco del Fiol e Christian Cravo - Uganda
O diretor Marco del Fiol e o artista Christian Cravo em Uganda

Logo no início do filme Christian coloca: “Normalmente as pessoas gostam de comprar coisas que são belas de se olhar. E artistas não são necessariamente pessoas boas em seus corações. Eles vivem em conflito. É isso que os faz artistas. Então é muito comum ver artistas enfrentando conflitos internos e por isso, às vezes, eles não conseguem expressar muita beleza”.  Poucos minutos depois vemos o trecho de uma palestra de Cravo Neto: :Nós nos envolvemos emocionalmente naquele processo criativo. E trabalhamos feito escravos. Somos donos de nós mesmos, mas às vezes nos perdemos”. Em seguida, já numa entrevista para  Marco, o diretor, Cravo Júnior anuncia em alto e bom tom: “Nós somos indivíduos à procura de nós mesmos e de um universo que nos sintonizam de forma  física, mental, psíquica ou espiritual. O artista é um ser emocional, porra!” Um artista na família pode transformar tudo em poesia e peso.  Agora imagina três.

Mario Cravo Junior por Mario Cravo Neto
Mario Cravo Junior por Mario Cravo Neto

O filme mostra que apesar do sobrenome comum, os três são completamente diferentes – o avô mais escrachado, o filho mais introspectivo, o neto mais espiritual. Todos talentosos e atordoados. De fato, Christian comenta: “Queriam que meu nome fosse Mario Cravo Bisneto. Minha mãe que não deixou, ela já sabia onde ia dar essa história”. 

Cravo Neto
Imagem da série “Eternal Now” de Mario Cravo Neto
Akira Cravo, na série Eternal Now, de Mario Cravo Neto
Akira Cravo, na série Eternal Now, de Mario Cravo Neto

As imagens íntimas de família tem um motivo: Cravo Neto já pretendia fazer um filme sobre o pai e filmava absolutamente tudo – desde os filhos brincando com a comida, as aberturas de exposições ou o casamento de Christian até intensas discussões. Sempre com a câmera na mão. E nesse ponto o filho primogênito não é diferente: expõe, no filme, cenas das filhas e de suas próprias vernissage, além das viagens a trabalho já ao lado do diretor.   

Lukas Cravo, o filho mais novo de Cravo Neto, tem hoje uma empresa de impressão fineart e molduras artesanais, colaborando com vários artistas de Salvador. Lamenta nunca ter trabalhado para o pai.  Akira Cravo, que começa a trilhar o caminho do irmão Christian e do pai na fotografia, pontua: “Meu pai nunca falou para eu ser fotógrafo, só me colocou na capa do livro [ Eternal Now, a série mais importante do artista ] e me deu uma câmera”. Mas Christian parece tentar tirar esta carga da próxima geração e, no seu ateliê, repete para a filha, Sofia Cravo: “O papai já te falou que você não precisa ser artista, ne?”