Artista Aposta: Isabela Etchenique

Conheça a artista de apenas 25 anos que transforma cartografias fluviais de São Paulo em pesquisas pictóricas e poéticas

Tempo de leitura estimado: 3 minutos
Retrato de Isabela Etchenique. Cortesia da artista.

Tendo crescido com os olhos cimentados pelos longos anos na cidade grande, a artista paulistana buscou enxergar para além do que é aparente nas ruas para sua pesquisa poética. A partir do contato com a iniciativa “Rios e Ruas”, coletivo que mapea cursos d’água escondidos e organizam visitas por estes lugares, Isabela Etchenique passou a se interessar pelos rios visíveis e “invisíveis” da sua cidade.

Somente em São Paulo, estima-se que tenha entre 300 e 500 rios concretados embaixo de casas, edifícios e ruas. Por isso, a maioria de seus habitantes tem uma percepção de uma cidade com três ou quatro rios apenas, quando na verdade, estamos quase sempre a mais de 300 metros de um curso d’água. Sendo assim, a artista nos convida a mergulhar em sua produção pictórica e a olhar através do asfalto para enxergar possibilidades poéticas. 

No momento de escolher sua graduação, Isabela se interessou primeiramente por arquitetura e design, mas ingressou na faculdade de artes buscando uma liberdade criativa. Contudo, ainda é possível enxergar os vestígios dos cursos anteriores em suas composições, especialmente nos seus primeiros trabalhos. Esses, se desdobravam sobretudo em colagens e gravuras, partindo da ideia de desconstrução e reconstrução imagética da cidade. 

Mas podemos considerar que a obra Voragem foi o verdadeiro divisor de águas de sua produção. O trabalho construído em camadas retrata os cursos e córregos de água da cidade, sendo que na camada inferior é estampado desenhos de linhas livres, retratando como esses canais poderiam ser no passado, e na camada superior, os fios de latão referenciam como eles são hoje.

A pintura expandida de 168 peças é um exemplo de como a artista experimental dá autonomia para os materiais para revelar o caráter indomável de seu assunto. Enquanto os vidros sobrepostos possuem um recorte mais homogêneo e preciso, os debaixo são mais irregulares por não terem obedecido às réguas de corte da artista.  

A escolha do material também é bastante significativa tendo em vista que o vidro possui a areia como matéria-prima. A areia é um elemento que constantemente está em contato com os mares, mas que para ser transformada em vidro, precisa passar por um processo de superaquecimento e eliminação da água. Nesse sentido, a elaboração do material está em paralelo com o processo de intervenção humana nas canalizações. 

É interessante notar como as sombras e transparências também compõem o trabalho, sugerindo uma sensação de fluidez e penetração através do material impermeável. 

Isabela Etchenique em seu ateliê produzindo a série Margem

Quando a artista faz a série Margem talvez seja o mais próximo de trazer suas pautas para o campo político. Ela faz cada obra em formato de bandeira e as pendura, como se estivesse sinalizando a emergência do tema em questão. No entanto, ao dispor cada figura cartográfica lado a lado sem juízo de valor, fica claro que seu interesse é mais pictórico e poético do que político.

O intuito de Etchenique, em ambas as séries, é de nos fazer um lembrete poético de que por baixo do concreto onde pisamos diariamente entre os atrasos das nossas rotinas, fluem e movem centenas de rios. 

Ao final do mês que vem, agosto, a jovem artista participará de uma exposição coletiva apenas de artistas mulheres na Nós Galeria que a representa.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support
pt_BR