Bruno Novelli e do coletivo MAHKU “invadem” casa modernista

A exposição organizada pelo Carmo Johnson Projects traz um diálogo mágico entre o artista cearense e o grupo de pintores do povo Huni Kuin

Tempo de leitura estimado: 3 minutos
Pinturas de Bruno Novelli e Makhu
Pinturas de Bruno Novelli (à esq.) e Makhu ( à dir.) na casa projetada por Joaquim Guedes

O que pode unir dois artistas? Ou melhor, um artista da cidade e um grupo de artistas indígenas? A floresta! Parece sublime ver trabalhos de Bruno Novelli e do coletivo MAHKU. Não é uma sensação aleatória: eles se conectam e se comunicam por meio da magia mesmo, da ayahuasca e das chamadas “mirações”, uma espécie de visão durante os rituais Huni Kuin. 

Liderado por Ibã Sales, o MAHKU é um coletivo de artistas indígenas do povo Huni Kuin, que pinta a partir de cantos xamânicos que traduzem saberes, rituais e tradições do que se conhece como “espírito da floresta”. Convidado pelo curador Daniel Dinato, que estuda e convive com os Huni Kuin há anos, Bruno passou um mês na floresta aprendendo com o povo indígena. 

O resultado você pode ver até o dia 19 de junho na exposição Tudo é perigoso, tudo é divino, maravilhoso, curada por Daniel – um projeto da Carmo Johnson Projects. Trata-se de uma ocupação de uma linda casa de arquitetura brutalista projetada por Joaquim Guedes no Pacaembú com pinturas inéditas de Bruno e alguns integrantes do MAHKU – geralmente eles assinam com o nome do coletivo, pois vários podem trabalhar numa mesma obra, mas em alguns momentos é possível ver o nome de um deles sobressair ( aqui é possível encontrar criações de Acelino Tuin, Cleiber Bane, Cleudo Sales,  Ibã Sales, Pedro Maná, Edilene Yaka e Isadora Kerexu).  

Pintura do coletivo Makhu
Pintura do coletivo Makhu

A interpretação dos cantos, geralmente acompanhados pelo consumo de ayahuasca, revelam uma poética singular: as narrativas visionárias contam a história do povo Huni Kuin numa linguagem gráfica similar aos hieróglifos do Egito antigo – são diferentes entre si, mas sempre trazem traços fortes, ultra coloridos e cheias de grafismo. Geralmente conduzidas pela jiboia e indicam caminhos para processos de cura.  

Um dos objetivos do grupo, vale ressaltar, é sincero e ambicioso: usar o dinheiro obtido com a venda de obras de arte para comprar mata virgem e protegê-la do desmatamento. 

Bruno Novelli
Pintura de Bruno Novelli na casa projetada por Joaquim Guedes

Enquanto os indígenas transformam em arte tudo o que podem ver e aprender com a floresta, Bruno relaciona uma ampla gama de imaginários e símbolos que transitam entre o tropical, o popular, o místico e o ficcional – um leão psicodélico pode aparece ao lado de figuras misteriosas retiradas da História da Arte, grafismos com inspiração indígenas e detalhes que dialogam com o grafite e o pixo.  

Agende sua visita pelo email contact@carmojohnsonprojects.com

Pintura de Bruno Novelli na casa projetada por Joaquim Guedes
Pintura de Bruno Novelli na casa projetada por Joaquim Guedes
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support