Galeria Nara Roesler abre exposição curada por Marcos Chaves

Os encontros da areia inspiram o artista a fazer um recorte do cenário artístico carioca entre os anos 1980 e 1990

Tempo de leitura estimado: 3 minutos
Raul Mourão, na exposição A dobra do horizonte
Raul Mourão, na exposição A dobra do horizonte

Um dos trabalhos mais famosos do artista carioca Marcos Chaves é composto por uma foto do Pão de Açúcar, cartão postal do Rio de Janeiro, e a frase “só vendo a vista“. Ao fundo, vemos o horizonte montanhoso que torna a cidade reconhecível no mundo inteiro. É justamente o “horizonte carioca” que serve como fio condutor para a exposição curada pelo artista, que abre no dia 23 de março, na sede da Galeria Nara Roesler, em Ipanema. 

A ideia de “horizonte” aparece, aqui, de duas formas: de um lado, há uma  materialidade que incorpora a linha como gesto de expansão; do outro, vemos a própria ideias de “expansão de horizontes”, de encontros, olhares e futuros possíveis.    

Tatiana Grinberg, na exposição A dobra do horizonte
Tatiana Grinberg, na exposição A dobra do horizonte
Roberto Cabot, na exposição A dobra do horizonte
Roberto Cabot, na exposição A dobra do horizonte

Na coletiva  A dobra no horizonte,  Chaves reúne 14 trabalhos de artistas que se inspiram mutuamente, trocam conhecimento e têm como ponto de encontro a praia. Trata-se de uma curadoria afetiva feita por um dos artistas mais queridos do Rio de Janeiro que revela uma pequena dose do estimulante e poético cenário  artístico da cidade entre o final dos anos 1980 e início dos anos 1990. “À época dos primeiros encontros, nós, artistas jovens, compartilhávamos então uma certa distância em relação à retomada da pintura e da figuração, características marcantes da produção artística do início dos anos 1980 no eixo Rio –São Paulo”, explica o artista.” A escolha dos trabalhos provém, sobretudo, da memória afetiva que trago como participante e testemunha deste zeitgeist” aponta o artista ao lembrar que muitos dos trabalhos não estão disponíveis no mundo digital, pois trata-se de uma geração de artistas que produziram por muito tempo no mundo analógico e não estão acostumados desde cedo à superexposição das redes como acontece com a geração mais nova.   

Reunir estes trabalhos“evoca novos sentidos de um horizonte outrora compartilhado que ganham, hoje, novos sentidos. São horizontes estendidos nos quais “o afeto é a dobra da linha, é a dobra que nos une”, conclui o artista. Vai ser bonito.

Andre Costa, na mostra A dobra do horizonte
Andre Costa, na mostra A dobra do horizonte
Fernanda Gomes, na exposição "A dobra do horizonte"
Fernanda Gomes, na exposição “A dobra do horizonte”
Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support