Galeria Jaqueline Martins recebe mostra do artista Luiz Alphonsus

Exposição revisita dois períodos da obra do artista multimídia, expoente da arte conceitual brasileira da década de 70

Tempo de leitura estimado: 2 minutos
O Lugar onde Estamos (detalhe), 1970

Visitar a obra de Luiz Alphonsus é mergulhar no passado e emergir no presente. Se as obras não fossem marcadas pelas datas, seria fácil dizer que elas foram produzidas atualmente. E é exatamente este o convite que a mostra Ambiental Enigmático, apresentada pela  Galeria Jaqueline Martins, faz ao espectador: revisitar as obras do consagrado artista à luz das problemáticas atuais. 

Ao lado de grandes nomes como Cildo Meireles e Guilherme Vaz, Luiz Alphonsus é um dos maiores expoentes da arte conceitual nacional tendo inclusive elaborado uma teoria própria do movimento, que ficou conhecida como o “Conceitual Caboclo”. Sua carreira começa no início da década de 60, quando ele se muda de Belo Horizonte para Brasília, ano subsequente à inauguração da nova capital. 

Instalação intitulada “Tensão”, 1972

Suas primeiras criações giram em torno da temática do cosmos, da exploração das galáxias e universos, algo que em um primeiro momento poderia ser creditado à influência da corrida espacial, temática recorrente à época. Mas em diversas declarações, Alphonsus credita a inspiração ao céu de Brasília, que pairava imenso sobre aquela cidade que acabava de nascer no centro remoto de um país continental. 

Em 1969, ele deixa Brasília rumo ao Rio de Janeiro. A produção a partir daí é marcada por uma tensão onipresente, indissociável do cenário político que assolava o país, mas também focado no cenário político local do universo carioca e na sua violência cotidiana. 

Obra “As balas que restaram de meu último assalto – Zona Sul Baixa Flu”, 1975/81

Em 1970, Alphonsus tomou parte em uma manifestação artística que ocorreu nas ruas de Belo Horizonte intitulada “Do Corpo a Terra”, durante a qual queimou uma faixa de plástico de 15 metros sobre a grama de um parque com o objetivo de “marcar o chão, deixar um rastro sobre o planeta”, como ele próprio explicaria mais tarde. Depois da manifestação os artistas que dela participaram passaram a ser conhecidos como geração Tranca Ruas

Já nos anos 2000, segundo período da produção do artista revisitado pela mostra, as obras atualizam as dimensões trabalhadas durante os anos 60 e 70. Agora, no entanto, somos carregados para além da dimensão política  e entregues ao tráfego do tempo e do espaço sideral, com escritos sobre o passado e o futuro. 

Serviço

Luiz Alphonsus: Ambiental enigmático

Data: 26 de março a 25 de junho 

Local: Galeria Jaqueline Martins 

Endereço: Rua Dr. Cesário Mota Júnior, 443 – Vila Buarque, São Paulo (Brasil)

Funcionamento: Terça a sexta das 10h às 19h, sábados das 12h às 17h

Ingresso: Gratuito

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support