Daido Moriyama recebe retrospectiva inédita no IMS

Com um extenso acervo, o IMS convida o visitante a mergulhar na cultura japonesa por meio do trabalho de um dos fotógrafos importantes do mundo

Tempo de leitura estimado: 3 minutos
Hotel no bairro de Shibuya, Tóquio, revista Provoke 2, 1969

Com a exposição de mais de 250 trabalhos do célebre fotógrafo japonês Daido Moriyama, o Instituto Moreira Salles inaugura amanhã, 9 de abril, uma grande retrospectiva dedicada à longa carreira do artista, algo nunca antes feito na América Latina.

Com a curadoria impecável de Thyago Nogueira, a mostra ocupa dois andares do instituto com o universo do artista conhecendo não só o seu trabalho, mas também por revelar a cultura e a essência de um país remoto que muitas vezes está distante do imaginário do espectador ocidental. 

Nascido em 1938, pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial, Moriyama começou a fotografar para jornais e revistas de grande circulação após ter se mudado para Tóquio, em 1961. O primeiro período de sua carreira é marcado pela documentação da efervescente cultura japonesa do período, marcado pela destruição da guerra, a ocupação das tropas americanas, as transformações na cultura tradicional e a ocidentalização do país. 

Fotografia intitulada Cão Vadio, de 1971.

Para Nogueira, a carreira do então jornalista se transforma à medida que ele passa a olhar o fotojornalismo com certo ceticismo, contestando a sua pretensa imparcialidade ou capacidade de realmente mostrar o mundo como ele é. “O primeiro momento onde isso acontece é com a produção do  livro Japão, um teatro de fotos, de 1969, quando ele reúne todas as imagens das reportagens feitas nos anos anteriores e as distribui sem qualquer ordem cronológica ou explicação apresentando o Japão de uma forma completamente nova”, explica o curador. 

Todo o primeiro andar da mostra é tomado por este e outros projetos experimentais do artista, como a série Acidente, durante a qual ele testa diferentes formas de usar a imagem para veicular notícias e acontecimentos, ou com as fotografias produzidas para as três edições da revista Provoke, dedicadas a contestar o poder de representação das imagens e a sociedade de consumo.

Esta fotografia intitulada Tóquio, de 1971, faz parte de uma pequena e rara coleção de fotografias coloridas de Daido Moriyama, que fez a maior parte de seu acervo em branco e preto.

Em 1972, entretanto, com o livro Adeus, fotografia!, Moriyama rompe momentaneamente com o fazer artístico após entrar em um estado de crise. Para o curador da mostra, esse momento delicado da carreira do fotógrafo pode ser explicado pela “revolta de um artista contra sua submissão ao código fotográfico”. A respeito deste momento o artista diria mais tarde: “Tentei desmontar a fotografia, mas acabei desmontando a mim mesmo”. 

Felizmente, nos anos 1980, Moriyama volta a se debruçar sobre o mundo em busca da essência da fotografia, valorizando os seus detalhes e buscando neles elementos básicos como a luz, a sombra e o grão de prata. E assim, o artista estende sua carreira até os dias atuais,  dedicando-se à produção da revista Record, que chega à sua 50ª edição em 2022  e  que se propõe a investigar a essência da fotografia por meio da captura do “cotidiano banal das cidades”, nas palavras de Nogueira.

A exposição conta ainda com revistas e livros, que estão dispostos em longas mesas para que os visitantes possam ver os trabalhos na forma como eles foram criados para existir, e salas de projeções que tornam a visita ainda mais imersiva.

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support