Trevor Paglen contesta o mundo dominado e percebido por algoritmos

O artista apresenta obras que questionam contraste entre o conteúdo de imagens familiares aos espectadores humanos e a frieza do olhar da máquina

série Bloom de Trevor Paglen
Série Bloom de Trevor Paglen

Você sente os efeitos sutis dos algoritmos ao usar plataformas digitais: o Spotify reproduz automaticamente outra música com base no que você estava escutando; o Instagram mostra primeiro os stories das contas com as quais você interage com mais frequência; e o TikTok apenas fornece um feed de vídeos “Para você”, sem necessidade de escolha sobre quem seguir. Os algoritmos são projetados para que você não reconheça necessariamente seus efeitos e nem sempre possa dizer se eles estão ou não modificando seu comportamento. Para sua exposição na Pace Gallery, em Londres, com uma versão virtual, o artista interdisciplinar e ativista de tecnologia Trevor Paglen tenta dissecar suas visões e, consequentemente, compreende suas ações. 

Série Bloom de Trevor Paglen
Série Bloom de Trevor Paglen

“Bloom” é uma série de fotografias de alta resolução de árvores floridas cujas cores foram  atribuídas por algoritmos criados por uma máquina desenvolvida pelo estúdio do artista que dissecam as texturas e arranjos espaciais das imagens e, em seguida, aplicar as cores para marcar as diferenças.  Ou seja: Olhar para as imagens significa tentar decodificar o que o computador estava avaliando ao adicionar cor. 

As flores são um tema artístico perene, desde o barroco holandês até as telas de Andy Warhol, passando por uma série de pinturas de Damien Hirst.  Mas o artista propõe uma análise de como uma máquina percebe as imagens e as composições não seguem uma lógica humana: os algoritmos não interpretam nenhum simbolismo; e, não há efemeridade ou tragédia latente para o florescer da primavera.

Série Bloom de Trevor Paglen
Série Bloom de Trevor Paglen

As cores emergem de um processo matemático que pode ser aplicado a qualquer outra imagem. A qualidade elegíaca da série, portanto, vem do contraste entre o conteúdo das imagens, familiar aos espectadores humanos, e a frieza do olhar da máquina.  Bloom mostra que a beleza não pode ser automatizada – pelo menos, não pela tecnologia que temos atualmente. Mais do que uma série de alinhamentos visuais ou de cores, a beleza está em nossas memórias do mundo e a máquina ainda não pode nos tirar isso! A conexão de uma flor com a experiência da primavera, por exemplo, é inevitável. E os algoritmos, segundo o artista, carecem de qualquer compreensão deste contexto. Pelo menos, por hora! 

Série Bloom de Trevor Paglen
Série Bloom de Trevor Paglen

Paglen apresenta, até março de 2021, uma exposição paralela no Carnegie Museum of Art, em Pittsburgh, que evoca a estranheza que sentimos ao usar o Spotify, Facebook ou Tinder. Essas plataformas pretendem calcular nossos julgamentos e gostos e, em seguida, replicá-los, atendendo aos nossos próprios desejos tão rapidamente que não temos tempo para considerar o quão nossas identidades estão sendo refletidas pelas decisões dos algoritmos.

No museu, ele apresenta a série “CLOUD”, para a qual usa algoritmos para analisar fotos transcendentais do céu e as paisagens montanhosas do oeste americano. Aqui ele prova que a “beleza” vista pela máquina sempre obedece a proporção áurea ou a sequência de Fibonacci.  Nós, já passamos dessa! PhD em geografia, o artista ficou famoso por revelar coisas que estão escondidas, criando tanto manchetes na mídia tanto quanto em exposições. Nos últimos anos, ele passou a se interessar pela inteligência artificial, explorando como a visão da máquina está moldando nossa percepção do mundo. Como o crítico Kyle Chayka resumiu numa matéria no Art in America. “A história da arte encontra o filtro tecnológico por meio do qual vivenciamos grande parte da cultura visual, por meio de câmeras do iPhone, postagens no Instagram e feeds do TikTok. Assim que aprendermos a reconhecer a influência dos algoritmos, espera Paglen, poderemos descobrir como combatê-la e recuperar parte da humanidade de nossa visão”.

série Bloom de Trevor Paglen
série Bloom de Trevor Paglen
Série Bloom de Trevor Paglen
Série Bloom de Trevor Paglen

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *