Feira goiana FARGO realiza edição de 2021 de forma digital com duração de um mês

Até o dia 18 de abril, o público poderá conferir os estandes virtuais dos expositores, além de participar de uma programação intensa que conta com lives e ações educativas, dentre outros

Helô Sanvoy, Sem título, 2020. No estande da Andrea Rehder.

Começou na última segunda-feira, 15 de março, mais uma edição da Feira de Arte Goiás, a FARGO! Pensando na saúde dos expositores, da equipe e do público, a organização optou por realizar o evento em formato completamente virtual, estendendo-o até o dia 18 de abril. Assim, terá duração de pouco mais de um mês na plataforma digital Arte Plena, na qual está sediada.

Em um comunicado, a organização da feira, que tem como diretores Wanessa Cruz e Sandro Tôrres, fez questão de ressaltar seu compromisso para evitar a expansão da Covid-19 e lembrou a extrema importância da arte no último ano que vivemos: “A cultura e a arte tiveram um papel fundamental na sustentação dos humores, da esperança e da sanidade; na forma de entretenimento, de registro, de protesto, de resistência. Milhares de manifestações artísticas espontâneas ou programadas lembraram ao mundo o caráter humano da existência”.

Lina Cruvinel, Sem título, 2018. No estande da INDEX.

Na plataforma digital, o público poderá conferir os estandes de cada expositor, tendo acesso a imagens e informações sobre as obras. Ao lado de cada trabalho, está disponível o botão “contactar”, direcionando o interessado ao WhatsApp da galeria responsável, podendo tirar todas as dúvidas rapidamente. Além disso, será realizada durante esse mês uma intensa programação pela feira, que inclui ação educativa e lives. Também poderão ser explorados recursos de interatividade, textos críticos, ensaios temáticos, entrevistas, depoimentos e obras de vídeo arte que serão disponibilizados ao longo desse período.

Anna Bella Geiger, Sem título. No estande de Julio Fratus.

A FARGO acontece desde 2017 e tem um importante papel fora do eixo Rio-SP, ajudando com a descentralização do mercado da arte e expandindo-o para a região Centro-Oeste, onde há uma demanda crescente na última década. Participam desta edição 27 galerias, escritórios e coletivos de arte, dentre elas galerias jovens, como a Index, que acaba de ser inaugurada em Brasília, e também mais consagradas, como Casa Albuquerque, de Brasília, que é um anexo da galeria mineira Celma Albuquerque.

Também participam A Casa Da Luz Vermelha (Brasília), A Menor Galeria Do Mundo (Goiás), Alessandra Rehder (São Paulo), Andrea Rehder (São Paulo), Arte Plena Casa Galeria (Goiás), Artistas Associados (Goiás), Atelier Livre De Gravura (Goiás), Bela Imagem (Goiás), Carcará Photo Art (São Paulo), Cleandro Jorge Escritório (Goiás), Espaço Ebner (Goiás), Fav Coletivo (Goiás), Fernanda Pacca (Goiás), Florsbelo Leão/Lucas Santos (Goiás), Grafisch Hidrolands (Goiás), Julio Fratus (Goiás), Krav  Design (Goiás), Leandro Brito Produção De Arte (Goiás), Mix Das Artes (Goiás), Oto Reifschneider (Brasília), Pedro Campos (Goiás), Referência Galeria (Brasília), Sandro Tôrres (Goiás), S/ Título (São Paulo) e Vórtex Arte Urbana (Goiás).